Secretário diz que o prefeito de Goiânia caminha para a aposentadoria política, mas admite que ele é imprevisível e pode disputar mais um mandato

O partido Democratas vai bancar a reeleição do governador Ronaldo Caiado em 2022. O MDB tem dois pré-candidatos ao governo: Daniel Vilela, ex-deputado federal e presidente do partido, e Gustavo Mendanha, prefeito de Aparecida de Goiânia (reeleito com 95% dos votos válidos, o que mereceu repercussão nacional e até cumprimento do presidente Jair Bolsonaro).

Mas, se os dois principais blocos políticos têm nomes para o governo do Estado — e há uma disputa renhida para ocupar a vice de Ronaldo Caiado (estão no páreo Roberto Naves, Adib Elias, Lissauer Vieira e Lincoln Tejota) —, o debate sobre possíveis candidatos ao Senado é incipiente.

Iris Rezende, prefeito de Goiânia | Foto: Ascom

Pelo lado de Daniel Vilela e Gustavo Mendanha, dois deputados federais estão se movimentando — Delegado Waldir Soares, do PSL, e João Campos, do partido Republicanos.

No grupo político de Ronaldo Caiado, a única movimentação relevante, até o momento, é a do ex-ministro Alexandre Baldy, presidente do partido Progressistas. Mas, aos poucos, um nome começa a ser discutido.

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende, estará, a partir de 1º de janeiro de 2021, politicamente aposentado? Ninguém acredita nisso — nem o decano do MDB. Tanto que ele já disse que, longe da prefeitura, vai atender no seu escritório político.

O que se comenta, e não apenas nos bastidores, é que Iris Rezende pretende disputar mandato de senador em 2022. Mas, como não quer correr risco, gostaria de ser bancado tanto pelo MDB de Daniel Vilela e Maguito Vilela quanto pela aliança do governador Ronaldo Caiado, do Democratas.

Será possível, se o MDB tiver candidato a governador — Daniel Vilela ou Gustavo Mendanha — e o Democratas bancar o seu, Ronaldo Caiado? Pode até ser possível, mas será muito difícil. Como a campanha tende a ser radicalizada, se quiser disputar o Senado (consta que a família quer vê-lo longe da política partidária, cuidando da própria vida), terá de escolher um lado. No momento, a ligação mais sólida de Iris Rezende é com Ronaldo Caiado, tanto que decidiu não declarar apoio à candidatura de Maguito Vilela a prefeito de Goiânia, apresentando-se como “neutro” — o que não é de seu feito. No caso, “neutralidade” acabou por ser vista como uma espécie de apoio indireto ao candidato do PSD, Vanderlan Cardoso. Dada a “neutralidade” de Iris Rezende na capital — e pelo menos uma das suas filhas apoiou o candidato do PSD —, a cúpula do MDB dificilmente apoiará sua candidatura a senador.

Mas Iris Rezende sairá do MDB para disputar mandato de senador pelo Democratas? É possível que não. “Iris prefere ficar como conselheiro das várias forças políticas a disputar mandato em 2022”, afirma um de seus secretários na Prefeitura de Goiânia. “Mas, como se trata de um animal político, com uma história exemplar, pode ser que acabe disputando. Iris é imprevisível e tem uma saúde de ferro, apesar dos 87 anos. Portanto, não duvido se ‘desaposentar-se”, em 2022, para disputar o Senado.”