O veterano líder está apenas tentando puxar o PMDB para a campanha de Ronaldo Caiado

Prefeito de Goiânia, Iris Rezende | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Se o leitor encontrar por aí, em alguma coluna, que Iris Rezende será candidato a governador em 2018, atenção, não acredite. É pura plantação do irismo. É meramente uma maneira de pressionar Maguito Vilela e Daniel Vilela com o objetivo de levá-los a aceitar o apoio do PMDB a uma candidatura do senador Ronaldo Caiado a governador de Goiás.

No Paço Municipal, da garota do elevador ao chefe de gabinete, todos sabem que Iris Rezende vai permanecer na Prefeitura de Goiânia até 2020. Ele não quer e não vai disputar o governo. Sua prioridade, além de alavancar a candidatura de Ronaldo Caiado, é eleger Iris Araújo para deputada federal.

A aposta do irismo é que, se Ronaldo Caiado for eleito governador, Iris Rezende retoma o controle do PMDB e expurga tanto Daniel Vilela quanto Maguito Vilela, se estes não se submeterem. Aliás, os iristas mais radicais — os xiiris — falam abertamente que o caminho de pai e filho é o marconismo.

Iris Rezende acredita, segundo aliados, que, para ter força em Brasília, precisa ter uma deputada federal. Por isso, além de bancar Ronaldo Caiado, vai se concentrar na campanha de Iris Araújo para a Câmara dos Deputados.