Governo Bolsonaro pretende acabar com a Fundação Casa de Rui Barbosa

João Cezar de Castro Gomes, Antônio Carlos Secchin e Godofredo de Oliveira Neto criticam o desmonte cultural

Mônica Bergamo, colunista da “Folha de S. Paulo”, publicou no domingo, 5, uma nota sob o título de “Governo federal estuda extinguir Fundação Casa de Rui Barbosa”.

Segundo a repórter, “o Ministério da Cidadania e a Secretaria Especial da Cultura estão elaborando uma proposta de medida provisória que pretende extinguir a Fundação Casa de Rui Barbosa. A ideia é transformá-la em Museu Casa de Rui Barbosa, que passaria a integrar a estrutura regimental do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). A bancada do PSOL na Câmara entrou com pedido de requerimento de informação sobre o processo no ministério. Eles afirmam que a fundação é ‘responsável pela maior e mais significativa produção de conhecimento sobre políticas culturais do Brasil, o que dificilmente conseguiria ser gerido pelo Ibram’. O ministério e a secretaria não responderam”.

Regina Duarte, secretária nacional de Cultura, e Jair Bolsonaro, presidente da República

A reação dos intelectuais foi imediata.

No Facebook, João Cezar de Castro Gomes, professor da UERJ e um dos mais importantes intelectuais brasileiros, escreveu: “Como antecipei, a guerra cultural bolsonarista pretende destruir as instituições associadas à ciência, educação e meio ambiente. A Fundação Casa de Rui Barbosa é um centro de excelência reconhecido em todo o mundo. Vamos juntos dizer ao mundo: #FicaCasaRui em todas as nossas redes sociais. Além disso, vamos gravar depoimentos curtos e inundar as redes com nosso apoio à Fundação Casa de Rui Barbosa. Não tempo a perder e não temos direito a ter medo”.

João Cezar de Castro Rocha: professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)  | Foto: Reprodução/TV Cultura

O crítico e professor universitário Antonio Carlos Secchin disse: “Segundo a jornalista, os estudos são para extinguir a Fundação e transformá-la num Museu. Se for assim, creio, há risco de se desativar a linha de investigação e de pesquisa da Casa, permanecendo um ‘museu’ onde os visitantes poderão conhecer o fino mobiliário do ilustre jurista baiano”.

O professor da UFRJ Godofredo de Oliveira Neto comentou: “E os originais dos livros sob a guarda da Casa? Acho q o governo nem sabe disso, e o que é isso. Visitei o espaço que guarda os originais na PUC/ RS, um primor. Mas o da Casa Rui se impõe, impunha, um bem público”. Em seguida, acrescentou: “Absurdo. As trevas medievas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.