Goiano que anda com Marina Silva diz que não é radical e, se eleita, não fará nenhuma pirotecnia

Marina Silva e Eduardo Machado: o líder do PHS acredita que a líder do PSB vai para o segundo turno já na frente de Dilma Rousseff | Foto: Arquivo pessoal

Marina Silva e Eduardo Machado: o líder do PHS acredita que a líder do PSB vai para o segundo turno já na frente de Dilma Rousseff | Foto: Arquivo pessoal

O goiano Eduardo Machado, presidente nacional do PHS, vive um momento ímpar: é um dos conselheiros políticos da campanha da candidata do PSB a presidente da República, Marina Silva. Seis partidos — PSB, PHS, PSL, PRP, PPS e PPL — estão na campanha da líder da Rede Sus­tentabilidade, espécie de partido dentro do Partido Socialista Brasileiro. Para se consolidar como candidata, a ambientalista precisava do apoio de pelo menos quatro partidos. Havia resistência. Depois, houve certa resistência à indicação de Beto Albuquerque para vice, mas a união acabou acontecendo. Eduardo foi uma das chaves mestras da aliança.

Como era muito próximo de Eduardo Campos, político moderado, o político goiano assustou-se, num primeiro momento, com Marina. “Aproximei-me com os dois pés atrás. Ao conhecê-la, percebi que, embora seja uma política que defende seus princípios, não é intransigente. Tanto que, quando me dizem que é ‘radical’, sugiro que seja vista a partir do que realmente diz e não das qualificações impostas por adversários. Sem dúvida que se trata de uma mulher austera e espartana, até elegante na sua simplicidade, mas sobretudo é calma, tranquila e pouco adepta de pirotecnias político-administrativas.”

Marina, se eleita, planeja governar com os “melhores” quadros políticos e técnicos de vários partidos. “Mas tem suas restrições. O governador do Paraná, Beto Richa, candidato à reeleição, pediu para o pessoal de Marina moderar o tom de suas críticas. Porém, mostrando que a circunstância eleitoral não sacrifica seus princípios, Marina disse que não contemporiza com Richa, Ge­raldo Alckmin ou pessoas da indústria do tabaco e do ramo de bebida alcoólica. Não quer, por exemplo, dinheiro da Ambev e garante que não aceita financiamento do agronegócio.”

Afinal, Marina é contra o agronegócio? “Marina é vítima de mal-entendidos. É contra o agronegócio nocivo ao meio ambiente e, portanto, ao indivíduo. É contra desmatar por desmatar. Avalia que o futuro dos brasileiros em geral não pode ser sacrificado para atender exclusivamente à necessidade de lucro imediato do mercado.”

Na semana passada, ao conversar com o Jornal Opção, a partir de São Paulo, Eduardo comemorava trackings articulados pelo PHS e pela estrutura da aliança de Marina. “Em todas as simulações de segundo turno, Marina derrota a presidente Dilma Rousseff.”

Ao conversar com Maria Alice Setubal, Neca, sócia do Banco Itaú, Eduardo perguntou-lhe por que apoia Marina. Neca, coordenadora do plano de governo da socialista, ao lado de Maurício Rands, foi sucinta: “Eu queria um farol, alguém em quem acreditar”. Walter Feldman disse a Eduardo: “Com a morte de Mário Covas, fique sem inspiração política. Apoio Marina porque ela é inspiradora”.

Se eleita, acredita Eduardo, Marina será capaz de ir além das mudanças cosméticas promovidas pelo PT. “Marina acredita que é possível melhorar a educação e a saúde públicas e aposta numa inclusão social que seja mais ampla do que a Bolsa Família. Ela deve ampliar e modernizar o investimento no social.”

Por que as pessoas estão acompanhando Marina, num movimento quase religioso? Eduardo contrapõe: “Embora Marina seja religiosa [é evangélica], as pessoas a acompanham muito mais pelo caráter cívico de sua pregação, pela crença de que é possível construir um país ambientalmente mais rico. Os eleitores percebem que Marina é contra a política tradicional e que planeja mudar o modelo político do país, aperfeiçoando o Estado para servir ao cidadão, e não apenas a grupos econômicos e políticos”.

Num primeiro momento, Marina atraiu votos de indecisos e daqueles que votam nulo. “Mas pode anotar que, a partir de agora, sua campanha, posta nas ruas e na televisão, vai ‘sangrar’ as campanhas de Dilma Rousseff e Aécio Neves”, aposta Eduardo. “Acredito que Marina vai para o segundo turno já na frente de Dilma.”

A equipe de Marina tem ecochatos e malucos-beleza? “O que mais impressiona é que Marina tem informação de qualidade e assessoria técnica do mais alto nível. Neca Setubal, que conhece bem o setor financeiro, é um exemplo. Maurício Rands é extremamente competente e não é à toa que era um dos mais próximos assessores de Eduardo Campos. Eduardo Giannetti, doutor por Cambridge, está colado na nossa candidata. São pessoas racionais e muito bem preparadas. Neca, por exemplo, já disse que Marina, se eleita, deve promover a autonomia do Banco Central e tem metas rigorosas para combater a inflação. A meta inicial é mantê-la em 4,5% e, a partir de 2019, 3%. Isto prova que Marina não quer inventar a roda. Agora, quem espera fisiologismo, concessões não-éticas, vai cair do cavalo.”

Recentemente, com a crise que provocou a saída de Carlos Siqueira da coordenação da campanha do PSB e com a resistência ao nome de Beto Albuquerque (o deputado, por ser do Rio Grande do Sul, mantém ligação com o agronegócio) — havia quem apostasse que o melhor nome, do ponto de vista eleitoral, seria o de Renata Campos, mulher do falecido Eduardo Campos —, adversários apostaram na desestabilização da campanha da socialista. “Qual nada! Marina comportou-se da maneira mais tranquila possível. Ela disse: ‘Não podemos perder o momento histórico de eleger o presidente da República’. Sua frase, sucinta e verdadeira, aglutinou todo mundo.”

Admirador incondicional de Eduardo Campos, o Eduardo goiano diz que, “com perdão da referência indireta ao acidente, ele era um ‘avião’. Articulava como o melhor dos articuladores mineiros, talvez mais do que Aécio Neves, outro bom articulador. Mas, do ponto de vista estritamente eleitoral e de assimilação nacional, Marina supera o político pernambucano”.

Aécio e Dilma passam, na opinião de Eduardo, por uma fase de “desespero”. “Aécio, político habilidoso, sabe que, se cair muito — a 43 dias das eleições —, não se recupera mais. Por isso, a partir de agora, terá de atacar tanto Marina quanto Dilma, o que pode levar sua campanha a deixar de ser propositiva, que era sua intenção inicial. Já começam a dizer que Marina é uma espécie de ‘petista mascarada’. Ela foi petista, mas deixou o partido por discordar dos conchavos do partido para permanecer no poder e de sua falta de coragem para enfrentar questões sérias, como a defesa do meio ambiente. Dilma está mostrando o que fez e o que está fazendo, mas, a partir de certo momento, vai partir para o ataque. Marina vai colar em Dilma e, insisto, deve passá-la já no primeiro turno.”

 

2 respostas para “Goiano que anda com Marina Silva diz que não é radical e, se eleita, não fará nenhuma pirotecnia”

  1. Avatar Pedro Cunha disse:

    Ela apóia o INFAME decreto 8243! Que coloca os movimentos sociais, que são totalmente controlados pela esquerda, como “representantes do povo” e corronper a constituição de 1988!
    Veja no youtube, esse decreto abre brecha para a implantação de uma ditadura ACIMA DA LEI, e abre brechas para o comunismo “Cala a boca” que vai tirar direitos, propriedades e no final a liberdade até de fugir do país!
    http://www.conspiratio3.blogspot.com.br

  2. Avatar bbjenitez disse:

    Pedro, voce cita um youtube de um blog chamado conspiratio3… kkkkk Será que a base de Marina é na Área 51 também, ou no Triangulo das Bermudas? A candidata nao apoia o decreto 8243. Ponto. Vá se informar melhor, por favor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.