Fnac do Flamboyant demite 11 funcionários, não tem lançamentos, mas não fechou portas

A loja do shopping, a única no Brasil, está com estoques velhos e liquidou o estoque de computadores e televisões

Divulgação

A Livraria Fnac, uma das lojas âncoras do shopping Flamboyant, é a última das moicanas. Não há mais nenhuma outra livraria com o nome Fnac estampado no Brasil. Mas pode estar com os dias contados. Os dirigentes da Livraria Cultura, de São Paulo, ainda não sabem se mantêm a unidade de Goiânia ou se a fecha. Depende, segundo jornais de São Paulo, de renegociações sobre valores do aluguel. Não só.

Na semana passada, um repórter do Jornal Opção esteve na livraria do Flamboyant. Antes, era assim. Ao entrar, do lado esquerdo ficava a livraria e, do lado direito, computadores e televisores. Agora, mudou. Os computadores e as televisões desapareceram (há uma ou outra remanescente). Mais livros foram colocados e, vários deles, estão em promoção. Percebe-se, de cara, que fazem parte de estoques velhos. Praticamente não há lançamentos (a Livraria Saraiva, no mesmo shopping e também em crise, comercializa vários lançamentos). Liquidado o estoque, a livraria tende a ser fechada? Não é o que diz um funcionário, numa conversa gravada por telefone.

“Não há nenhuma informação sobre o fechamento da Fnac do Flamboyant, mas procede que foram demitidos 11 funcionários, restando 30”, afirma o servidor. “Estamos sem lançamentos, de fato está faltando muita coisa, mas a Cultura não parou de enviar livros”, acrescenta. “A parte de informática acabou. Fizemos promoções agressivas. Televisão também vai acabar. Vamos ficar só com livros.”

Procurada, a direção do shopping encaminhou o repórter para a Fato Mais, uma agência de comunicação. Lá, por telefone, Dienys Rodrigues, disse não ter nenhuma informação sobre fechamento ou não da Fnac do Flamboyant.

Dienys Rodrigues, relações públicas da Fato Mais Comunicação, frisou que não tinha informações oficiais sobre um possível fechamento da Fnac. Mais tarde, enviou uma mensagem: “Referente aos seus questionamentos sobre a Fnac, a área responsável disse que não consegue me passar nenhum posicionamento oficial hoje [sexta-feira, 5]. Retomarei este contato com eles na próxima semana e fico na expectativa de repassar os dados em breve a você”.

A Livraria Cultura, da família Herz, recebeu dinheiro para promover a liquidação da Fnac no Brasil. Fechou todas as livrarias e devolveu os imóveis. Resta a unidade de Goiânia.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.