Djalma Rezende diz que não pretende disputar cargo político em 2018

Advogado diz que suas prioridades são sua saúde — está se tratando de câncer — e seus clientes

Djalma Rezende | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Djalma Rezende, de 64 anos, está se tratando no Hospital de Câncer de Barretos. Já fez três sessões de quimioterapia e a resposta tem sido positiva. “Os médicos estão otimistas”, diz um dos mais gabaritados advogados do país.

Cotado para ser candidato a governador ou vice de Ronaldo Caiado ou de José Eliton, ou até suplente de algum candidato a senador, Djalma Rezende diz que, no momento, tem duas preocupações: sua saúde e seus clientes. “Não tenho pretensão política e não planejo disputar mandato eletivo em 2018. Os problemas da política só podem ser resolvidos com política, mas há quem acredite que podem ser resolvidos com o Judiciário e com a polícia — o que é um equívoco e, até, uma distorção. O fato é que sou vocacionado para a advocacia.”

Djalma Rezende afirma que fica lisonjeado de aparecer nas pesquisas de intenção de voto. “As pessoas me querem bem, me veem como um homem honrado, que venceu pelo trabalho, pelo esforço pessoal.” Goiano da cidade de Mineiros, antes de ser o advogado consagrado que se tornou — com causas em vários Estados —, Djalma Rezende foi servente de pedreiro, carvoeiro e oleiro. “Sei o que é trabalho pesado.”

Se convidado a participar da política, num projeto construtivo, Djalma Rezende aceitaria? “É muito difícil responder com precisão. Mas não é impossível, mas, desde já, esclareço que não sou oportunista.”

Djalma Rezende não está filiado a nenhum partido. “Tenho convites do PTB e do PRB. Mas insisto que não estou pleiteando nenhum cargo.” Líderes do PRB — como Gilvan Máximo (de quem é amigo) — gostariam de vê-lo como candidato.

Há jornais que não checam informações direito. Recentemente, Djalma Rezende conversou com o senador Ronaldo Caiado, e até falaram de política, mas o que discutiram de verdade foram os interesses do empresário rural. “Sou advogado de Caiado em relação à sua fazenda de Crixás. Nossa conversa prioritária foi sobre Direito.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.