A representação classista dos empresários de Goiás passa por um processo de divisão. A Adial e a Fieg desentenderam-se no debate sobre os incentivos fiscais. A primeira planejava estender a todos as novas regras do aperto tributário. Mas a Fieg e o governo de Goiás posicionaram-se contra.

O governo de Marconi Perillo, seguindo orientação da secretária da Fazenda, Ana Carla Abrão, concluiu que vários empresários foram fartamente beneficiados pelos incentivos fiscais e que é hora de darem sua contribuição ao desenvolvimento do Estado. O governo precisa arrecadar mais, para ajustar a máquina ao período de crise da economia nacional, e avalia que não é o momento de parte do empresário, em defesa de interesses puramente corporativos, posicionar-se contra as medidas que estão sendo tomadas. As ações não são contra os empresários, afirma o governo, e sim a favor de Goiás.