Com times atuais, Goiás e Vila vão passar vexame nas séries A e C do Brasileirão

Os dois times jogaram no domingo. Na verdade, os jogadores correram em campo. Não se sabe se realmente jogaram

Cilas Gontijo

Goiás e Vila Nova (0 a 0) se enfrentaram no domingo, 1, no Onésio Brasileiro Alvarenga, pela oitava rodada do Goianão. O jogo foi, tecnicamente, sofrível. As peladas das várzeas são mais empolgantes.

Nem de longe o “clássico” relembra os de dez anos atrás quando as duas equipes se enfrentavam e era bonito de se ver. Mesmo quando faltava técnica não faltava vontade, garra sangue no olho para ambas as partes. Por isso os jogos eram garantia de estádio lotado.

Se a rivalidade entre os clubes dentro de campo deixa a desejar, o mesmo não se pode falar em relação aos torcedores pelas ruas da cidade — onde infelizmente continuam acontecendo as brigas com pauladas, tiros e atropelamentos; Jovens sofredores das duas equipes se destruindo por causa de clube de futebol. Quanta infantilidade.

Enquanto tais jovens estão se destruindo, os alguns jogadores não estão nem aí para o clube e muito menos para os torcedores. O que muitos querem mesmo é o salário (além dos “bichos”) no final do mês em suas contas e pronto. Nada mais justo, claro, pois são trabalhadores. Mas não levam em conta os torcedores?

No domingo, 3 mil torcedores, sofredores, compareceram ao estádio para prestigiar seus times e os jogadores. Mas foram testemunhas de um clássico — se é que se pode chamar de clássico — para ser esquecido por todos.

Imagem: Reprodução/ Crocodillo Games / Youtube

Não deixa de causar preocupação a fala do comandante do clube esmeraldino após o jogo: “Estou indo para casa satisfeito”. Satisfeito com o quê? Com um time medíocre — que teve superioridade numérica quase todo o jogo com a expulsão do zagueiro Adalberto, do Tigrão, e mesmo assim não conseguiu uma jogada que levasse perigo ao arqueiro do Vila?

Se Ney Franco fala assim, realmente é necessário verificar se é oportuna a sua permanência como técnico do Verdão. Sou admirador do trabalho do treinador, mas sua fala sugere que está perdido e que não está conseguindo sequer entender onde o time que dirige está falhando.

Falo mais sobre o Goiás porque ainda é o maior do Estado e tem uma receita que é maior que a todos os outros 11 clubes juntos. E com um jogador a mais, em um clássico, ganhar era obrigatório.

Com o futebol apresentado pelas duas equipes não há desculpas que sejam aceitas, nem mesmo a de que o campo não ajudou. Poderia ser no Santiago Bernabéu que não iria ser diferente.

O Vila antigamente levava milhares de torcedores aos estádios, sobretudo num clássico com o Goiás, dada a rivalidade histórica. Por que não ocorre mais o mesmo? O problema não é por causa do preço de ingresso; aliás, isso não tira o torcedor do estádio. O que afasta o torcedor é realmente o que não tem dentro de campo: futebol bonito.  Torcedor não se importa de pagar 50 ou 60 reais desde que sua expectativa de ver um bom jogo seja suprida.

O Goiás ocupa a quarta posição na tabela, com 13 pontos, e o Vila está fora da faixa de classificação, na nona posição, com apenas 9 pontos.

Há pelo menos cinco anos, o grande clássico do Goianão deixou de ser o Tigrão e o Periquito. O verdadeiro clássico é entre Atlético e Goiás. O Dragão, por sinal, tem jogado melhor, nos últimos anos, graças às equipes mais motivadas e a organização do clube.

A diretoria do Goiás precisa acordar e tomar atitude. Não dá mais para esperar entrosamento quando já se está na oitava rodada do campeonato. O que se pode concluir é que o time é fraco e tem até um argentino tabajara. O Campeonato Brasileiro está batendo à porta. Com qual time o Goiás irá participar da Série A? Com o atual, vai virar saco de pancada de times medianos, não só dos grandes. E há outra questão: não se trata tão-somente de falta de entrosamento. O time é ruim mesmo, sem destaques individuais que possa suprir a deficiência do conjunto. Antes, tinha Michael. Agora, não tem nem um sub-Michael?

O Vila irá participar da Série C do Campeonato Brasileiro e o time continua desentrosado. Falta qualidade do conjunto e, também, individual. Acordão, Tigrão. Claro que só deve acordar se não quiser passar toda a competição tentando fugir da zona do rebaixamento.

Cilas Gontijo é comentarista esportivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.