Ciro Gomes diz que dono do Coco Bambu é “vagabundo”. Afrânio Barreira contesta o político

“Nunca existiu sonegação fiscal no Coco Bambu. Em 2021, pagamos entre impostos federais e estaduais R$ 100 milhões, gerando 7.200 empregos”, diz dono da rede

Ciro Gomes: batendo duro nos empresários bolsonaristas | Foto: Reprodução

O pré-candidato a presidente pelo PDT, Ciro Gomes, disse que o dono da cadeia de restaurantes Coco Bambu (que tem uma unidade em Goiânia, no shopping Flamboyant) é “vagabundo” e sonegador de impostos. Afrânio Barreira contesta o ex-ministro e sublinha que ele quer aparecer na imprensa.

Ao citar Afrânio Barreira, Ciro Gomes o incluiu entre os “empresários inescrupulosos, sonegadores de impostos, que estão aqui em Fortaleza fazendo política bolsonarista”. E acrescentou: “Esse vagabundo do Coco Bambu tem 50 restaurantes no Brasil e no mundo, cada um deles tem uma razão social diferente pra não pagar imposto, para estar no Super Simples. Por isso que são tudo bolsonaristas, porque é tudo marginal”, disse o ex-governador do Ceará numa entrevista ao canal “Em Cima do Muro”.

Confira a resposta de Afrânio Barreira, dono do Coco Bambu

Afrânio Barreira, Jair Bolsonaro e Daniela Barreira | Foto: Presidência da República

“O Coco Bambu passou por todos os governos durante esse período, sempre com forte crescimento. O apoio ao governo Bolsonaro é por convicção de ser o melhor para o Brasil e para os brasileiros.

“O Coco Bambu, principalmente no Ceará, é ostensivamente fiscalizado há muitos anos. Nunca existiu sonegação fiscal no Coco Bambu. Crescemos organicamente durante 30 anos através do trabalho. As 64 lojas têm faturamento acima do limite máximo permitido pelo Simples. Em 2021, pagamos entre impostos federais e estaduais aproximadamente R$ 100 milhões, gerando 7.200 empregos diretos no Brasil.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.