Celg fatura 8 bilhões por ano, vira bom negócio e vai ser privatizada pela Eletrobrás

Sinval Zaidan Gama, presidente da Celg: seu objetivo é recuperar  e, em seguida, privatizar a companhia de eletricidade de Goiás | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Sinval Zaidan Gama, presidente da Celg: seu objetivo é recuperar
e, em seguida, privatizar a companhia de eletricidade de Goiás | Foto: Fernando Leite / Jornal Opção

Com a recomposição tarifária e com o fato de que passou para o comando da Eletrobrás — o que, em tese, significa investimento seguro nos próximos anos —, a Celg deve faturar 8 bilhões de reais por ano (descontados os tributos, o faturamento chega a 6 bilhões de reais). Como há uma demanda crescente, e as contas da companhia começam a ser postas em ordem, a valorização tende a aumentar, segundo analistas do mercado. O presidente Sinval Zaidan Gama, engenheiro eletricista, tem dito aos subordinados que está “otimista”.

Há duas teses sobre a Celg. A primeira sugere que a companhia de eletricidade de Goiás atraia um parceiro capitalizado e com expertise para revigorar suas finanças. Não é a tese mais aceita, diga-se. A segunda propõe a privatização pura e simples. “Hoje, como há o que se costuma chamar de ‘realidade tarifária’ — o valor da tarifa é o de mercado, real —, a Celg voltou a ser uma empresa valiosa, um objeto de desejo de empresas nacionais e internacionais. Se comprovar um lucro anual de cerca de 2,6 bilhões, por exemplo, tende a valer, no mercado, de 6 bilhões a 10 bilhões de reais”, afirma um engenheiro especializado em energia elétrica e mercado financeiro.

No caso de venda, como é sócio da companhia, o governo de Goiás receberia cerca de 3 bilhões de reais, o que possibilitaria investimento em obras de infraestrutura — como o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Eixo Anhanguera.

Porém, do ponto de vista da sociedade — dos comerciantes, das famílias —, a imagem da Celg ainda é “ruim”. O Jornal Opção perguntou a dois engenheiros da Celg: “Por que a energia ‘cai’ tanto em Goiânia?” Eles admitem que as “instalações” são velhas — daí as panes frequentes no sistema — e a manutenção é deficiente. “A Celg precisa ‘atualizar’ suas redes de distribuição”, dizem. A Eletrobrás acordou que deve investir cerca de 400 milhões de reais, este ano, na melhoria da qualidade da distribuição da energia elétrica em Goiás.

2 respostas para “Celg fatura 8 bilhões por ano, vira bom negócio e vai ser privatizada pela Eletrobrás”

  1. Avatar Antonio Alves disse:

    Se eu vender minhas calças, posso adquirir dinheiro para tomar uma pinga, mas depois vou ter que andar pelado.

  2. Avatar Victor Hugo Pinheiro Cunha disse:

    Venda absurda. Desestatiza. Entrega ela pros consumidores. Que cobre os 3 bi na conta de luz em 36 meses. Tira a ingerência do estado incompetente e deixa a gestão ser terceirizada por uma assembleia dos sócios/consumidores. O que interessa é o fornecimento de energia, e a expansão da rede, não é um negócio pra dar lucro e sim para servir à população. Nenhum investidor vai torrar 3 bilhões pra comprar um negócio que só dá prejuízo ainda mais se ele pode simplesmente comprar 3 bilhões em rentáveis títulos da dívida pública…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.