Caiado terá PSDB, PT e parte do MDB na oposição. A mais sólida cacifa-se para 2022

Por uma questão de sobrevivência, tucanato tende a radicalizar-se. Daniel Vilela, se for disputar em 2022, precisa manter-se no campo oposicionista

Divulgação

O senador Ronaldo Caiado assume o governo daqui a dois meses e dez dias. Um pulinho. Começa-se a falar sobre os movimentos das oposições — no plural, e não no singular. Porque as divergências em relação ao governo do líder do Democratas serão manifestadas de modos diferentes pelo PSDB, pelo PT e por parcela do MDB.

Parte do MDB compôs com Ronaldo Caiado, desde a campanha eleitoral, e, no momento, trabalha para “puxar” a outra parte para bancar o governo. Adib Elias, Renato de Castro, Ernesto Roller e Paulo do Vale, prefeitos de Catalão, Goianésia, Formosa e Rio Verde, são caiadistas desde a primeira hora. O deputado estadual reeleito Bruno Peixoto já compôs. Humberto Aidar está prestes a compor. Paulo Cezar Martins, do grupo de Maguito Vilela e Daniel Vilela, ainda não compôs.

O grupo de Maguito e Daniel Vilela manifesta o desejo de ser oposição ao governo de Ronaldo Caiado. Numa entrevista, Maguito Vilela sublinhou que os eleitores colocaram o MDB na oposição. Se a oposição for radical — e não branda — será travada uma guerra mortal entre a frente liderada por Adib Elias e a frente dirigida por Daniel Vilela pelo controle do partido. O vilelismo conclui, com razão, que precisa ficar na oposição, pois pretende disputar o governo de Goiás em 2022 e possivelmente será contra Ronaldo Caiado. Se apoiar o governo, não terá como apresentar um discurso de oposição na próxima eleição. Trata-se de realpolitik. Um vilelista disse ao Jornal Opção: “Adib Elias quer ser vice de Ronaldo Caiado em 2022, por isso quer levar todo o MDB para apoiá-lo. Nós discordamos e vamos trabalhar para manter o partido como força independente ao governo. Não vamos fazer oposição radical e raivosa, mas vamos criticar aquilo que não estiver funcionando”.

A oposição petista tende a ser no campo corporativista. Quer dizer, vai tentar fazer a defesa do funcionalismo público e das entidades sindicais. O petismo avalia que Ronaldo Caiado vai ter dificuldades com a folha de pagamento dos servidores e, sobretudo, com o cumprimento dos planos de cargos e salários. Daí vão encampar as lutas dos trabalhadores. O PT também pretende fazer a oposição ideológica ao governador. Porque, no espectro ideológico, o DEM é um dos principais adversários do Partido dos Trabalhadores. “Nós vamos ficar ao lado dos funcionários públicos e não vamos tolerar perdas salariais e nenhuma desvalorização profissional deles”, frisa um ex-deputado. Mauro Rubem, mesmo não tendo sido eleito deputado, será um dos escalados para acompanhar as relações do governo com os servidores. Os deputados Adriana Accorsi e Antônio Gomide, recém-eleito, farão o contraponto na Assembleia Legislativa.

A oposição mais agressiva tende a ser do PSDB? Talvez não. Primeiro, o partido só tem um deputado federal e seis deputados estaduais. Segundo, a maioria dos parlamentares eleitos tem seus interesses e não vai fazer uma oposição desbragada ao governo de Ronaldo Caiado. Terceiro, os prefeitos tucanos rejeitam um confronto radical porque temem retaliação do governo de Caiado. Mas a corrente do ex-governador Marconi Perillo, liderada possivelmente por Jardel Sebba, deve fazer uma oposição sólida ao governo do democrata. Porque, se não fizer, assistirá, provavelmente, Daniel Vilela assumir o posto de “primeiro oposicionista” a Ronaldo Caiado — o que pode fazer a diferença na disputa de 2022.

O certo é que o PSDB fica na oposição, até por uma questão de sobrevivência. Se não fizer oposição, soçobra. E, claro, não há espaço para tucanos no governo de Ronaldo Caiado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.