Boulos diz que foi intimado pela Polícia Federal porque publicou tuíte sobre Bolsonaro

O líder do PSOL afirma que sofre “perseguição política vergonhosa”. Bolsonaro está usando a Lei de Segurança Nacional da ditadura

Guilherme Boulos, do PSOL | Foto: Bruna Aidar/ Jornal Opção

Principal líder do PSOL no país e força política emergente em São Paulo, Guilherme Boulos disse na quarta-feira, 21, no Twitter: “Fui intimado pela PF na Lei de Segurança Nacional por um tuíte sobre Bolsonaro. A perseguição deste governo não tem limites. Não vão nos intimidar”.

À “Folha de S. Paulo”, segundo o registro de Ricardo Noblat, da “Veja”, Guilherme Boulos disse que sofre “perseguição política vergonhosa”.

O fato alvissareiro é que ministros do Supremo Tribunal Federal, ao contrário da polícia, seguindo o bom senso e a democracia, não costumam acatar as práticas do presidente Jair Bolsonaro, que, se crítica, não aceita críticas.

Daqui pra frente, o Supremo terá de verificar, se provocado, se a Polícia Federal — uma instituição do Estado, e de comportamento sempre exemplar, no período democrático — estaria sendo “usada” para fins pessoais e políticos, o que parece ser o caso.

A rigor, Boulos tem criticado Bolsonaro. Não se trata de “ataque” e o presidente não é tão vulnerável que não possa receber críticas. (E. F.B.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.