O ex-presidente Jair Bolsonaro (que tende a ficar inelegível por oito anos) está de olho na política de Goiás porque tem três aliados no Estado: Gustavo Gayer, Vitor Hugo e Wilder Morais. Os três filiados ao Partido Liberal (PL).

O ex-deputado federal Major Vitor Hugo é o primeiro amigo. O deputado federal Gustavo Gayer, por fazer a defesa de Bolsonaro na Câmara dos Deputados e nas redes sociais, é o segundo amigo. O senador Wilder Morais é o terceiro amigo. Este é um cristão-novo na “família” bolsonarista, mas é respeitado. “Wilder sabe que, se ‘falhar’ uma vez com o bolsonarismo, como ‘falhou’ o senador Vanderlan Cardoso, não tem perdão”, diz um bolsonarista-raiz.

No momento, Gustavo Gayer é o nome do PL para a disputa da Prefeitura de Goiânia. Porém, de acordo com dois integrantes do partido, o quadro pode mudar.

Jair Bolsonaro: o ex-presidente decide articulações | Foto: reprodução

Bolsonaro tem dito a aliados que está “apreciando” a atuação de Gustavo Gayer na Câmara dos Deputados e, por isso, quer que permaneça lá.

Há poucas pessoas que Gustavo Gayer ouve de verdade. Uma delas é Bolsonaro. Se o ex-presidente sugerir que deve ficar em Brasília, o deputado ficará. Um bolsonarista afirma que, se não disputar em Goiânia, o deputado poderá acompanhar Wilder Morais nas campanhas municipais em parte das cidades do interior. “Talvez ele seja mais importante para o bolsonarismo e para os candidatos a prefeito como cabo eleitoral do que como candidato na capital”, acrescenta o bolsonarista.

Sem Bolsonaro, o que fará o PL em Goiânia? Às duas fontes foi feita a mesma pergunta: “Major Vitor Hugo pode ser vice do senador Vanderlan Cardoso, do PSD?” A resposta de uma delas: “Não. Bolsonaro considera Vanderlan como ‘traidor’ pelo fato de ter ‘lulado’”. A resposta da outra fonte: “Jamais! O PL de Goiânia vai ter candidato a prefeito”.