Alexandre Baldy: o quadro político muda muito rápido e os ventos da renovação podem surpreender os políticos mais tradicionais do país
Alexandre Baldy: o quadro político muda muito rápido e os ventos da renovação podem surpreender os políticos mais tradicionais do país

O deputado federal Ale­xandre Baldy diz que o Brasil está passando por uma fase de mudanças rápidas. “Quem piscar perde o timing”, frisa. “Há pessoas que cristalizam ideias velhas, aferram-se a elas e, por isso, não percebem que o tempo atual é muito diferente. Há quem acredite que Iris Rezende será eleito prefeito de Goiânia. Aposto, pelo contrário, que tem muita chance de perder. O líder peemedebista pode ser vítima da renovação e de um tempo que corrói rapidamente as certezas absolutas. Há pouco tempo, pensava-se que o prefeito da capital, Paulo Garcia, não teria condições de articular uma candidatura forte. Pois ele está articulando, movimentando-se, conquistando o apoio de alguns partidos, como o PROS e o PSL. Chegou a conversar com nós, do PTN. Fomos convidados a ocupar cargos na prefeitura. Os líderes do partido que dirijo estão conversando com todos os pré-candidatos e, por isso, não definimos quem vamos apoiar.”

Como saiu do PSDB, pavimentando uma certa independência em relação ao grupo do governador Marconi Perillo, há quem aposte que Baldy pode ser candidato a prefeito de Anápolis. Apesar das perguntas incisivas do repórter do Jornal Opção, o deputado do PTN escapou de maneira enigmática e dubitativa: “Não tem nada certo sobre candidatura em Anápolis. O cenário político está ‘maluco’”. Em seguida, frisou: “2016 é uma oportunidade. Quando a tocha olímpica passou por Anápolis, o prefeito João Gomes foi vaiado. Há, portanto, uma rejeição do prefeito e uma antipatia ao PT. Vale a pena ser prefeito de Anápolis? É claro que vale. Mas também vale ficar em Brasília, participando de um processo histórico de renovação da política brasileira”.

Consta que Baldy tentou ser ministro, mas perdeu a vaga para a deputada federal Renata Abreu, vice-presidente do PTN nacional. O ex-tucano admite que chegou a ser sondado para ministro do Esporte, mas a indicação deve ser do PMDB do Rio de Janeiro. “Não quero ser ministro, ao menos no momento. Sou novo na política nacional e seria ‘atacado’. Preciso ter sabedoria e observar a circunstância. O que posso atestar é que abri mão e articulo para o nosso bloco político (PTN, PHS, PTdoB, PEN, PSL, PROS) que, com 36 deputados federais, vai indicar um ministro. É fato, porém, que articulo, participo de encontros no Palácio do Jaburu, ao lado do vice-presidente Michel Temer. Quero contribuir para a recuperação do país e, por isso, não ficarei fora do processo”.

Duas pessoas aproximaram Baldy de Michel Temer: o ex-deputado Sandro Mabel e um primo que trabalha com o vice há quase 20 anos. “Mabel é um articulador de primeira linha e é ouvido por Temer.”