As articulações estão passando ao largo da imprensa, sobretudo de parte substancial da anapolina, mas, tendo em vista a disputa para presidente da República e governador em 2026, processa-se, neste momento, um possível acordão entre o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do União Brasil, e o ex-presidente Jair Bolsonaro, do PL.

A tendência — repita-se: tendência — é que Ronaldo Caiado e Jair Bolsonaro, com o apoio do ex-deputado federal Major Vitor Hugo (PL) e do senador Wilder Morais (presidente do PL em Goiás), se unam para apoiar a candidatura do dentista, empresário e suplente de deputado federal Márcio Corrêa.

Márcio Cândido e Roberto Naves: o pastor é a aposta do prefeito em Anápolis | Foto: Facebook

No momento, Márcio Corrêa é filiado ao MDB do vice-governador Daniel Vilela. Mas, num consenso que deve envolver Ronaldo Caiado, Jair Bolsonaro, Daniel Vilela, Wilder Morais e Major Vitor Hugo, tende a se filiar ao PL para disputar a Prefeitura de Anápolis.

Como vai se posicionar o prefeito de Anápolis, Roberto Naves (Republicanos)? A tendência é que apoie seu vice-prefeito, o evangélico Márcio Cândido (PSD), para prefeito. Há quem postule que é importante o gestor municipal lançar um candidato.

O que se comenta, ao menos na base governista, é que a polarização se dará entre os candidatos do PT, deputado estadual Antônio Gomide, e do PL, possivelmente Márcio Corrêa. Qual seria, então, o papel de Márcio Cândido no jogo de 2024? Se conquistar cerca de 15% a 20% dos votos, ele vai colaborar para a garantia de segundo turno.

Jair Bolsonaro e Ronaldo Caiado: articulando forte em Goiás e no Brasil | Foto: Divulgação

Na semana passada, duas figuras de proa da política de Goiás disseram a um repórter do Jornal Opção que acreditam que, com uma base ampla — que inclua Ronaldo Caiado (está muito ligado a Major Vitor Hugo), que é de Anápolis, e Jair Bolsonaro —, Márcio Corrêa tende a ir para o segundo turno em primeiro lugar, à frente do segundo, Antônio Gomide. Ressalve-se que, hoje, o petista figura em primeiro lutar, numa posição relativamente confortável.

Antônio Gomide: o deputado do PT favorito para prefeito de Anápolis | Foto: Divulgação

Vale examinar alguns dados da disputa eleitoral de 2022. Para presidente da República, Jair Bolsonaro obteve 63,03% dos votos válidos de Anápolis. Lula da Silva ficou com 27,88%.

Para governador o quadro foi o seguinte: Ronaldo Caiado — 52,41%; Major Vitor Hugo — 23,22%; Gustavo Mendanha (Patriota) — 16,22% e Wolmir Amado (PT) — 6,96%. Curiosa ou sintomaticamente, os três primeiros poderão figurar no palanque de Márcio Corrêa em outubro deste ano, daqui a oito meses. Wolmir Amado não tem influência alguma na política de Anápolis. (E.F.B.)