Danielistas dizem que o senador não representa o novo e tende a se desidratar durante a campanha

Daniel Vilela e Ronaldo Caiado | Fotos: Agências Câmara e Senado

Aliados do deputado federal Daniel Vilela afirmam que estão notando uma tendência. “Percebe-se, até com certa nitidez, que setores do governo preferem enfrentar o senador Ronaldo Caiado na disputa para o governo do Estado em 2018. Porque, além de não representar a renovação e ter uma rejeição abissal, não conta com a estrutura política adequada para uma disputa majoritária e, durante a campanha, desidrata-se com facilidade. Em 2014, foi eleito senador às custas da estrutura do PMDB, mas, como era ‘pesado’, quase perdeu para Vilmar Rocha, que não era um candidato forte”, afirma um deputado.

Os danielistas dizem que o governador Marconi Perillo agiu com inteligência ao lançar um candidato jovem, sem rejeição e já com certa experiência administrativa. “Ronaldo Caiado tem sua importância, mas é um político tradicional. Goiás quer novidades, ainda que cobre consistência delas. O mar está muito mais para Daniel Vilela e José Eliton do que para o senador do DEM.”

“Ronaldo Caiado é o candidato ideal para ser derrotado. Na campanha, inclusive, é o que mais aceita provocações, perdendo o controle de suas emoções. Basta verificar suas reações no Senado, onde está sempre aceitando uma briga, até física, o que é lamentável”, afirma um deputado peemedebista.