Alexandre Baldy quer otimizar recursos para qualificação profissional

baldyVinculado ao setor industrial, devido sua passagem pela Se­cretaria de Indústria e Co­mércio, entre 2011 e 2013, Alexandre Baldy, candidato a deputado federal pelo PSDB, tem surpreendido pela capacidade de romper barreiras entre segmentos. Na semana passada, comandou reunião com produtores culturais para ouvir sugestões. Outro destaque é a paixão com que participa de debates sobre políticas de qualificação profissional, uma de suas principais bandeiras.

Sobre formação profissional, vale lembrar que Baldy é ligado ao setor farmoquímico, ramo industrial que depende visceralmente do desenvolvimento científico e da alta qualificação de seus colaboradores. Por isso o jovem empresário é tão atento ao tema. Segundo ele, o governo federal melhorou parcialmente sua performance quanto ao ensino profissionalizante, mas ainda falta muito para se adequar à realidade do mercado de trabalho.

No governo Lula, diz Baldy, o paradigma era o Plano Nacional de Qualificação, uma peça quase fictícia. “Um documento altamente ideológico e ufanista que, ao longo de 26 páginas, não faz qualquer menção, de fato, às necessidades e demandas regionais do país”, diz o ex-secretário.

Para Baldy, dizer que qualificação profissional é fator de inclusão social é correto e bonito, mas não resolve se não houver encaminhamento prático.

Com Dilma Rousseff, diz o tucano, houve pequeno avanço com o Pronatec, pois, pela primeira vez, o governo federal pelo menos cita que é preciso interiorizar a oferta de cursos profissionalizantes. Mas a boa intenção parece ter ficado apenas na teoria.

Baldy pediu à sua assessoria que levantasse quais cursos gratuitos o Pronatec oferece em Goiás e ficou “assustado”. Nas maiores cidades goianas (Goiânia, Aparecida e Anápolis), o Pronatec apresenta em seu site apenas 66 vagas para cursos como o de agente de limpeza, trabalhador doméstico, vendedor, recepcionista e garçom.

“Estamos falando de um universo de 2 milhões de pessoas e só disponibilizam essas 66 vagas”, critica Baldy, completando o diagnóstico: “Em Anápolis, temos um polo industrial diversificado e a demanda por profissionais qualificados é alta. Onde estão os cursos para atender essas necessidades?”

Entre suas propostas para a área, Baldy afirma ser essencial que entidades representativas de empresários e trabalhadores participem da formulação das políticas de qualificação. Para definir o tamanho do investimento e também que tipos de cursos devem ser oferecidos em cada cidade ou região.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.