Em suas visitas, o presidente prioriza os evangélicos e o setor agropecuário. Há um forte empenho em transferir votos para Major Vitor Hugo

Na eleição presidencial de 2018, 68% dos evangélicos votaram em Jair Bolsonaro (PL). O “voto evangélico” foi decisivo para alçá-lo à Presidência da República, e ele nunca deixou de se aproximar desse bloco do eleitorado evangélico. Seja participando da Marcha Para Jesus, defendendo isenção de impostos às igrejas, combatendo o “marxismo cultural” ou indicando pastores ao STF e aos ministérios de seu governo, o presidente conseguiu manter boa parte do segmento religioso ao seu lado.

Na última semana uma pesquisa do Datafolha pontou que 39% dos evangélicos seguem votando em Bolsonaro, outros 36% agora estão com Lula. Um alerta para os bolsonaristas. 

O presidente que sabe do eleitorado fiel que tem em Goiás cumpriu agenda na sexta-feira, 27, participando do culto da Convenção Nacional das Assembleias de Deus (Conamad). Em sua fala que durou cerca de 40 minutos, Bolsonaro fez afagos aos evangélicos, lembrando que durante a pandemia foi contra o fechamento das igrejas, destacando sua posição conservadora e exaltando as ações da ministra Damares Alves.

Nesta semana Bolsonaro volta ao estado. Desta vez na cidade de Jataí, que está entre as principais economias do estado de Goiás e tem uma forte atuação na atividade agropecuária. Desta vez, vai discursar a outra parcela significativa de seu eleitorado, os agropecuaristas. O intuito do presidente é cristalizar seu apoio nessas bases e tentar com que seu representante no estado, o pré-candidato ao governo do estado Major Vitor Hugo (PL) consiga melhorar o desempenho entre esses eleitores.