8 opções de Bolsonaro para substituir Weintraub no Ministério da Educação

O Senado, se consultado, pode bancar Izalci Lucas. Uma solução interna pode ser Benedito Aguiar

Um exército de dois homens, o vereador Carlos Bolsonaro e o filósofo Olavo de Carvalho, luta para manter Abraham Weintraub no Ministério da Educação. Mas, no governo, o que se comenta é que o tempo do ministro-militante acabou. Ele agora só atrapalha o governo, virou um peso morto. A bolsa de apostas com nomes para substitui-lo continua se ampliando.

Segundo aliados, Abraham Weintraub estaria se preparando para disputar o governo de São Paulo, em 2022.

Antônio Freitas: tem experiência como gestor e é professor | Foto: Reprodução

1 — Antônio Freitas — professor da Fundação Getúlio Vargas. No caso de uma gestão mais técnica.

Benedito Aguiar, presidente da Capes | Foto: Reprodução

2 — Benedito Aguiar — presidente da Capes. Solução interna. Sua crença no criacionismo não agrada a comunidade acadêmica. Mas Bolsonaro não se incomoda com isto.

Claudio de Moura Castro: respeitado como professor e gestor | Foto: Reprodução

3 — Claudio de Moura Castro — Graduado em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, é mestre pela Universidade Yale e doutor pela Universidade Vanderbilt. Seria uma opção com perfil universitário. Trata-se de um educador com experiência em gestão. O problema é que é visto como “independente”.

4 — General “X” — Uma opção militar teria sido descartada. Até o próprio presidente Jair Bolsonaro estaria achando que tem militar demais no governo.

Ilona Beckskehazy: teme-se que se torne a Weintraub 2 | Foto: Reprodução

5 — Ilona Beckskehazy — secretária de Educação Básica. Solução interna. O que se teme é que, uma vez no ministério, se torne a Weintraub 2.

Izalci Lucas: o senador é uma opção mais política | Foto: Reprodução

6 — Izalci Lucas — O senador é sempre lembrado para a pasta. Além de educador, seria um representante do Senado no governo. Seu suplente é o empresário Luiz Felipe Belmonte, o bolsonarista que está organizando o Aliança pelo Brasil. Segundo “O Globo”, o problema de Izalci é pertencer ao PSDB, que, aliás, pode vetar sua indicação.

Mendonça Filho: foi ministro da Educação e é político | Foto: Divulgação / MEC

7 — Mendonça Filho — Ex-ministro da Educação. Comenta-se que o Centrão o apoia.

Mozart Ramos: é professor e gestor | Foto: Reprodução

8 — Mozart Ramos — O professor é tido, porém, como próximo da esquerda. Seria, dizem no bolsonarismo, um paulofreiriano. Tem o respeito da comunidade acadêmica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.