A lista de pré-candidatos a prefeito de Rio Verde é relativamente ampla. Nem todos serão candidatos — e alguns podem até ser vices — e, ao longo do tempo, podem surgir outros postulantes. A eleição será disputada daqui a um ano e 11 meses. Mas as articulações já começaram e os políticos estão tratando de expor seus nomes publicamente. Afinal, quem não é visto não é lembrado.

A disputa em Rio Verde será basicamente entre o candidato que vai preservar e ampliar o legado do prefeito Paulo do Vale, do União Brasil, e aquele postulante que pretende exatamente rejeitar tal legado, apostando na mudança, na alternância de poder.

Na base de Paulo do Vale há pelo menos dois nomes cotados: Dannillo Pereira, seu vice-prefeito e suplente de deputado federal, e o médico Wellington Carrijo. Parece óbvio que só um deles será candidato. A oposição tem cinco nomes, mas a tendência é que haja um afunilamento para dois ou três nomes.

A lista a seguir está disposta em ordem alfabética, e não de favoritismo.

1

Dannillo Pereira/PSD

Paulo do Vale e Dannillo Pereira: o prefeito é padrinho político do vice | Foto: Reprodução

O vice-prefeito é produtor de soja e milho, em Rio Verde e Paraúna. Este ano, disputou mandato de deputado federal e ficou como primeiro suplente. Obteve uma votação excepcional no município (28.094 votos, 28,56%), bem acima de Marussa Boldrin. É apontado como um político não carismático mas responsável. É fortemente ligado ao prefeito Paulo do Vale.

Padrinho: Paulo do Vale.

2

Heuler Cruvinel/Patriota

Heuler Cruvinel: ex-deputado federal | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Dono de uma construtora e com atuação no ramo imobiliário, é também criador de gado de alta qualidade. Foi deputado federal por dois mandatos e nunca conseguiu se eleger prefeito de Rio Verde (começa bem e termina mal). Estava desanimado com a política, sua ex-musa, mas este ano aceitou ser candidato a vice de Gustavo Mendanha, do Patriota, e obtiveram uma votação considerada pífia, menos de 26% dos votos válidos.

Mesmo tendo saído menor da campanha, planeja, de acordo com aliados, disputar a Prefeitura de Rio Verde. Ele estaria articulando o apoio do médico Osvaldo Fonseca Júnior, do Patriota, que, em 2020, disputou a prefeitura pelo MDB e foi derrotado por Paulo do Vale. O pai de Fonseca Jr. foi seu chefe de gabinete em Brasília durante oito anos.

O fato de ser considerado um político sazonal enfraquece seu projeto eleitoral.

Padrinho: Osvaldo Fonseca Júnior.

3

Karlos Cabral/PSB

Karlos Cabral: deputado estadual reeleito| Foto: Divulgação

Deputado estadual reeleito, é um político articulado e com boa imagem no município. Milita na esquerda, mas é moderado. Só será candidato se Lissauer Vieira, do PSD, coordenar sua campanha. No momento, é o nome do presidente da Assembleia Legislativa para a disputa local.

Um político da cidade diz o seguinte: “Lissauer Vieira tem mais força na mídia de Goiânia do que entre os eleitores de Rio Verde. Mas é possível que lance candidato única e exclusivamente para confrontar Paulo do Vale. Em público, o deputado até elogia o gestor municipal. Privadamente, não tem o mínimo respeito pelo prefeito. Karlos Cabral é gente do bem, mas, se disputar, enfrentando pesos-pesados da situação e da oposição, não tem a mínima chance de ser eleito. Porém, coloca seu nome em pauta. Em política é preciso ser lembrado”.

Padrinho: Lissauer Vieira.

4

Marussa Boldrin/MDB

Marussa Boldrin e José Mário Schreiner: nova força política em Rio Verde | Foto: Divulgação

Vereadora atuante, foi eleita deputada federal logo na sua primeira disputa. É articulada e conta com apoios expressivos. O deputado federal José Mário Schreiner — presidente da Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg) — e Isaac Portilho, ambos do MDB, a apoiam.

Ressalve-se que a Faeg pode cobrar que permaneça na Câmara dos Deputados, trabalhando a favor de projetos que beneficiem os produtores rurais (agricultores e pecuaristas). Há também o problema de que o MDB, via Daniel Vilela, e Paulo do Vale estreitaram o relacionamento político em Rio Verde. Tanto que o filho do prefeito, Lucas do Vale, foi eleito deputado estadual, com uma votação expressiva, pelo MDB. Só em Rio Verde conquistou 36.826 votos (36,52%).

Por ser jovem e proativa, pode ser candidata a prefeita. Mas, como se disse acima, depende das articulações do MDB com o prefeito. Afinal, Daniel Vilela deve ser candidato a governador em 2026 e vai precisar do apoio da estrutura política de Paulo do Vale naquele que é o quarto município com mais eleitores de Goiás.

Padrinhos: Isaac Portilho e José Mário Schreiner.

5

Osvaldo Fonseca Jr./Patriota

Osvaldo Fonseca: médico em Rio Verde | Foto: Reprodução

Gustavo Mendanha estaria reclamando que, durante sua campanha, Osvaldo Fonseca Júnior desapareceu, tão-logo percebeu que o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) ganharia no primeiro turno.

Em 2020, obteve boa votação para prefeito, graças ao apoio contundente do MDB. Porém, em 2022, abandonou o MDB de Daniel Vilela, optando por apoiar Mendanha para governador. Mesmo sendo omisso, saiu menor do pleito de 2022 do que de 2020, quando perdeu para Paulo do Vale.

É tido como um político inconstante, avesso a compromissos. Se Heuler Cruvinel for candidato, tende a ser seu vice. Se o ex-deputado sair do páreo, deve se colocar como candidato a prefeito. Seu problema é que não tem mais partido — o Patriota é uma espécie de “ong” sem qualquer estrutura.

Brincam a respeito de Fonseca Jr.: “Como político, é um bom médico. E, como médico, é um mau político”.

Padrinho: Heuler Cruvinel.

6

Professor Vavá/PT

Valdemar de Paula, o Professor Vavá | Foto: Divulgação do PT

O mestre, apontado como uma figura respeitável do petismo, disputou a prefeitura em 2020. Ele é candidato mais para marcar posição, pois o do PT do município não tem estrutura adequada para uma disputa majoritária.

Padrinho: Rubens Otoni, deputado federal.

7

Wellington Carrijo

Médico, é considerado como um dos nomes forte do setor de saúde de Rio Verde. É jovem, articulado e carismático.

Mostrando capacidade de articulação, se disputar, terá o apoio do médico Juraci Martins, ex-prefeito do município (que não apoia a dupla Heuler Cruvinel e Osvaldo Fonseca Jr. nem que a vaca tussa em russo ou ucraniano).

Seus apoiadores dizem que, apesar de pertencer ao grupo político que está no poder, representa o novo.

É cotado para assumir a Secretaria de Saúde do Estado.

Padrinhos: Paulo do Vale e Lucas do Vale.