*Demóstenes Torres

O Brasil está na rota dos superstars –e não me refiro à reunião do G20, em 2024, mas ao G2, os remanescentes de Beatles e Pink Floyd que se apresentam neste 2023. Vi em Brasília, ambos no estádio Mané Garrincha, os shows de Roger Waters (em 24 de outubro) e Paul McCartney (30 de novembro). Imperdíveis para quem foi adolescente nos anos 1960/1970, ou com a juventude estendida aos janeiros de 1960/1970.

São 2 grandes astros, acompanhados de músicos fora de série. Todavia, não destaco entre as estrelas a distância de nível, mas de conteúdo. Paul está a anos-luz, muita luz.

Em minha mocidade (o uso do termo dá ideia da idade do sujeito), sem saber coisa alguma de inglês, acompanhava a subversão trazida pelos ídolos nas roupas, nos solos de guitarra, nas atitudes. Esgoelava “The wall” e “Let it be” entendendo exatamente nada.

Os 2 espetáculos são monumentais, como o eixo que levou até eles. Aquele estádio nunca sediou no esporte algo que se assemelhe ao que fazem McCartney e Waters. Para atingir semelhante patamar, o próprio anjo das pernas tortas deveria entrar em campo ao lado de Pelé, Rivellino e Maradona, com os meias Matthaus e Messi, Gordon Banks no gol, Beckenbauer e Maldini na zaga, Carlos Alberto Torres e Roberto Carlos de laterais.

Seleção como a acima é servida ao público nos shows em iluminação, no som e na estrutura geral. O Íbis (o pior time do mundo, não o hotel) estava em um detalhe: em Waters, o militante supera o artista. O detalhe enodoa o todo.

ntes de apreciar o que foi assistir, o pagador de entrada lê o aviso: “Se você é daqueles que diz [sic] ‘Eu amo o Pink Floyd, mas não suporto a política do Roger’, você pode muito bem se retirar para o bar agora”. Claro, se for para afogar as mágoas de ter admirado alguém durante meio século e agora o vir divulgando o ódio com a máscara de o combater.

Tiete pouco se lixa com suas adesões a ditaduras. Pior é chamar de genocídio o contra-ataque de Israel em Gaza, ainda que em Berlim tenha se vestido de militar nazista e dito ser “uma declaração em oposição ao fascismo, à injustiça e ao fanatismo em suas diversificadas formas”. É a versão britânica do pacifista que promete matar quem o considerar assassino.

Um sem-noção disfarçando simulacro de Hitler como se os descendentes das vítimas do monstro considerassem brincadeira lembrar de forma normal o holocausto que Waters esquece na Alemanha da 2ª Guerra, mas vê nos que se defendem do Hamas.

A resposta de Waters foi detectar “ataques de má-fé, calúnias e tentativa de silenciamento pelos que discordam” de suas opiniões. “Ei, você, tipo The wall, sim, você atrás das bicicletas” e à frente da lacração, suas desculpas à apologia ao hitlerismo são outro tijolo na parede do esquerdismo pueril.

Jovens e alheios à tradução da letra, “despejávamos escárnio, expondo todas as nossas fraquezas”, acusando professores, destroçando suas mulheres, exibindo como nossos os preconceitos de Floyd. Orgulhosos, dizíamos que “não precisamos de nenhuma Educação”, que comparávamos a “controle mental”.

Décadas a fio, Waters recitou esses absurdos e a gente balançando a cabeça, para cima e para baixo, concordando com cada sílaba, em vez de para direita e esquerda, discordando. Crescida, a maioria de sua audiência soube separar a qualidade musical da bestialidade política. O genial músico, não. O discurso senil em apoio a déspotas, replicado entre clássicos do rock progressivo, mostra que piorou o lado que era putrefato desde o começo e estragou-se sem amadurecer. A banda podre nunca foi o Pink Floyd, mas a parte de Waters receptiva ao arbítrio.

Mês e pouco depois, o mesmo estádio saiu de hieróglifos nas cavernas para a inteligência artificial, de Rogers para McCartney, a inteligência de Paul e o artificial Roger. Numa linha do tempo, de 24 de outubro a 30 de novembro a evolução foi milenar, o beatle com o conhecimento na cabeça e o pink tendo na cabeça só um lenço do Hamas, o “besouro” atravessando um oceano de amor, o rosa passando o pano xadrez em quem já matou 1.200 pessoas, a começar por jovens numa rave.

Enquanto isso, Paul McCartney faz o show perfeito. Dialoga com o público, com quem forma dupla. Conversa em português mais fluente do que falo inglês. Ensaia a plateia nos memoráveis embates para decidir qual setor se sobressai, o masculino ou o feminino.

Seu baterista há 20 anos, Abe Laboriel é um show à parte, pois sabe que 90% dos presentes os veem no palco menores que uma lata de cerveja. Por isso, aproveita que, desde os Beatles, Paul coloca a bateria em lugar estratégico, iluminada pela câmera que transmite para o telão. Aplausos, risos, alegria garantidos.

A indignação na poesia de McCartney é captada em convencimento, não sob pressão. Soam enaltecedoras, não piegas as homenagens a John Lennon e George Harrison, os colegas de grupo mortos (o outro vivo é Ringo Starr, e beeeeem vivo aos 83 anos, pois acaba de anunciar turnê na primavera de México e Estados Unidos). Assombro inédito é a resistência. Aos 81 anos, 1 a mais que Roger, Paul canta e toca sem parar durante 150 minutos. À exceção de meia dúzia de 3 ou 4 canções ao piano, fica em pé o tempo todo. Mais inacreditável ainda: sem beber qualquer líquido.

Termina a tarefa, que cumpre feliz, em apoteótica parceria com os fãs, sob fogos de artifício, antecipando o réveillon, até porque ali estreia não o ano, mas a era, a era em que vi um beatle e ele se confirma tão magistral quanto meus sonhos jamais exigiram. O palco, cujo fundo permaneceu inundado de belíssimas imagens, tinge-se de escuridão. Os astros se retiram. As 40.000 pessoas, das mais variadas gerações e procedências, continuam de pé. Pedem, de forma macarrônica, um “beque”, que não é um zagueiro dos 2 times pelos quais Paul torce (Everton e Liverpool, da cidade natal), nem um cigarro de maconha (que fumou demais –e, talvez, ainda fume), mas a volta do inefável. O indescritível retorna e nos enleva por mais boa meia hora.

E, sim, eu amo os Beatles e não suporto a política do Roger. E não vou me retirar para o bar agora, só quando quiser. Não dá para simplesmente sair do Mané estádio e ir para o Mané Mercado Vírgula beber ao declínio ideológico do fenomenal baixista. A produção devolveria o dinheiro do ingresso? Ou é para passar na lojinha de suvenires e pegar o valor em suástica?

Demóstenes Torres, 62 anos, é ex-presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal, procurador de Justiça aposentado e advogado.