Aos nossos infectologistas, com carinho

Haikal Helou – Especial para o Jornal Opção

Meu professor de física no segundo grau, Coronel Bastos, costumava dizer que tudo na vida é relativo, mas nada é mais relativo do que a noção de tempo. “Uma hora conversando com uma bela mulher parece um minuto, um minuto com a mão na chapa quente parece a eternidade.”

Completamos agora um ano de pandemia, que creio que todos concordarão parece muito mais. Não sei o que aprenderam nesse ano, visto que o processo de aprendizagem é algo muito pessoal, eu aprendi ou enxerguei o que estava na minha frente o tempo todo, a falta que a educação em todos os seus aspectos faz a um povo, que se porta mal, expressa mal, que vota mal, em um ano muito mais para Hobbes do que para Rousseau.

Faz sentido depois de um ano, ainda precisarmos falar como papagaios de pirata que precisa usar máscara, lavar as mãos e manter distância? Todos já ouviram isso um milhão de vezes, mas resolveram ignorar. Hoje temos autoridades que negam a importância da máscara, do distanciamento social, acreditam em poções mágicas e incentivam a dualidade economia-saúde e isso tem tido ressonância na sociedade, até a hora em que esse membro da sociedade precisa de um leito de UTI, aí o discurso muda. “Eu não sabia “, “Achei que era a mídia” passa a ser a fala corrente. Esse comportamento não surgiu com a pandemia, já vimos isso antes quando o assunto era a violência, pessoas que só se engajam ou usam camisetas com pedidos de paz depois que perdem um parente e essa postura para mim simboliza todo o mal que nos permeia, a falta de empatia, só sofremos com o que nos atinge e sofremos sós, porque os outros não se importam.

Em contraponto a tudo isso, temos profissionais que não pararam um minuto em um ano. Mesmo doentes, por telefone, trabalharam. Perderam amigos e colegas e trabalharam. Foram questionados por adolescentes que moram com as mães, por engenheiros, advogados, médicos de diversas especialidades que mesmo sem dominar o assunto resolveram “ajudar “e responderam como? Trabalhando! Muitos outros profissionais participam dessa luta e ela estaria perdida antes de começar, mas nada para mim é mais simbólico da nossa capacidade de tolerar frustrações, dificuldades diversas e riscos enormes do que os nossos infectologistas e vê-los nos nossos hospitais ou na televisão todos os dias de manhã, às vezes sorrindo, às vezes chorando, mas nunca desistindo, me motivou, acalmou e deu esperança. Muito obrigado Ana Carolina, Kobal, Boaventura, Alexandre Costa, Daher, Guilhermo e tantos outros colegas por serem quem são por cuidarem como cuidam e por nos inspirar a continuar a despeito de tudo.

Haikal Helou é médico e presidente da Associação dos Hospitais Privados de Alta Complexidade do Estado de Goiás (Ahpaceg)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.