“É preciso diferenciar o assaltante de banco de quem furtou uma bolacha”

Novo procurador-geral de Justiça diz que é preciso coibir o contato dos presos condenados com o exterior e que é preciso agir de forma racional e sistemática nos presídios para que eles não se tornem faculdades do crime