Secretário de escola é afastado após oferecer aumento de notas em troca de sexo

Polícia pediu a prisão preventiva do réu, mas Justiça negou pedido e resolveu apenas desligá-lo do cargo

A Justiça goiana resolveu afastar o secretário-geral de um colégio estadual, localizado na região Sul de Goiânia, suspeito de assediar alunas. Segundo informações do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), o homem ofercia às estudantes vantagens como aumento de notas e anulação de faltas em troca de sexo.

“O imputado, em tese, se utilizou de sua profissão para o cometimento das infrações penais, já que tinha acesso ao sistema de controle de notas da escola e, por meio deste, tentava induzir as vítimas à prática de conjunção carnal”, explicou a juíza Placidina Pires, da 10ª Vara Criminal de Goiânia, na sentença.

A polícia havia se manifestado em favor da prisão preventiva do réu, enquanto o Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) havia requerido a aplicação da medida cautelar de monitoração eletrônica, com o uso de tornozeleiras. Ambos os pedidos, no entanto, foram negados pela juíza.

Na decisão, Placidina Pires ponderou que o denunciado é réu primário e não há nenhum elemento que evidencie sua “periculosidade social” ou que indique que o homem fuja ou crie impedimentos ao andamento da instrução criminal.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Epaminondas

Bom é que não mencionam a idade das estudantes. Eram menores de idade? Se eram, me estranham este tratamento gentil ao traficante de notas e abono de faltas.