PF diz que reforma em sítio de Atibaia foi paga por caixa 2 da Odebrecht

Polícia Federal achou, em sistema da Odebrecht, R$ 700 mil em propina para pagar obra do imóvel atribuído a Lula

Visão aérea do sítio de Atibaia | Foto: Jorge Araújo/Folhapress

De acordo com informações da UOL, um laudo produzido pela Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira (16/5) mostra que o dinheiro destinado para custeio das obras no Sítio de Atibaia, atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, saiu do caixa 2 da empreiteira Odebrecht e que foi abastecido com dinheiro do projeto da Aquapolo (maior projeto de reuso de água do hemisfério sul), de obras da Petrobras, de outros órgãos públicos do Brasil e contratos no exterior.

O documento também corrobora com a versão dada em 2017 pelo engenheiro Emyr Diniz Costa Júnior que, em delação, disse ter recebido R$ 700 mil para custear compra de materiais e serviços relacionados a obra por meio do departamento de propina da empreiteira.

O laudo da PF teve como objetivo responder as questões do juiz Sergio Moro, do Ministério Público Federal (MPF) e da defesa de Lula com base na análise dos dados contidos no sistema Drousys e Mywebday, utilizados pela Odebrecht como uma espécie de sistema financeiro paralelo. De acordo com a polícia, os dados são íntegros e autênticos.

O documento foi anexado à ação penal em que Lula, atualmente preso em Curitiba, é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com a UOL, a Odebrecht afirmou em nota que está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. A empreiteira disse que “implantou um sistema para prevenir, detectar e punir desvios ou crimes”.

Ainda de acordo com o portal de notícias, a defesa de Lula tem afirmado que o ex-presidente nunca recebeu ou solicitou qualquer benefício indevido de qualquer empresa.

Deixe um comentário