“Não tenho condescendência com atos criminosos”, diz Iris sobre corrupção no Imas

“Nunca compactuei com erro. Ninguém é capaz de dizer que um dia eu tenha facilitado negociata para atender companheiros e amigos” garantiu o prefeito

Iris Rezende na prestação de contas | Foto: Lívia Barbosa

Durante a prestação de contas do último quadrimestre de 2018 na Câmara Municipal, o prefeito Iris Rezende (MDB) foi questionado pela vereadora Dra. Cristina (PSDB) se sabia dos desvios que aconteciam no Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas).

Em resposta, o prefeito disse que começou a investigar as questões da saúde antes mesmo da posse e que sabia que estava mexendo em uma “caixa de maribondo”. “Eu entreguei cópia de tudo que achei irregular ao Benedito Torres (procurador-geral de Justiça na época). Não tenho condescendência com atos criminosos”, respondeu sem especificar o caso Imas.

Dra. Cristina pediu réplica e questionou: “na época do Samu, nós tivemos um funcionário ligado a Secretaria de Saúde preso. O Carlos Henrique, conhecido como Caíque. Ele esteve aqui na CEI prestando depoimento. E ele está agora envolvido no problema do Imas. Eu fiz a pergunta e o senhor não respondeu. O que o senhor tem a dizer mantendo um servidor que já estava sendo processado?”.

“Nunca compactuei com erro. Ninguém é capaz de dizer que um dia eu tenha facilitado negociata para atender companheiros e amigos. A prefeitura recebeu a denúncia e imediatamente encaminhou ao MP a denúncia. A nossa participação foi essa. Eu não tenho competência para saber se aquele servidor estava ali e está sendo processado. A prefeitura é muito grande”, afirmou.

“Esperamos que justiça seja feita, não quero pré julgar ninguém. Espero que o Estado faça justiça”, finalizou.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Paulo Cássio

Interessante a resposta do sr. Alcaide. Será que ele, além de comandar uma péssima gestão também desconhece que todos os servidores que assumem um cargo público devem apresentar atestados de Nada Consta, sem estar em processo com a justiça?
Seria bom questiona-lo ,ou ao Secretário de Administração,ou
Procuradoria -Geral da Prefeitura.

Caio Maior

Há controvérsia, prefeito – e muita! Um exemplo que desmente o alcaide: o atual secretário municipal de cultura foi premiado com o cargo, mesmo ostentando a suspeita posição de réu em processo que versa sobre improbidade administrativa e outras mazelas, supostamente nessa Secretaria da Cultura. Como assim? É a cultura “política” do erro, da mentira e do engano. Só pode.

Helder Marcelino da Silva

Mas o Sebastião Peixoto já teve histórico negativo em suas passagens pelo Mutirama e Zoológico de Goiânia em administrações passadas e porquê o Iris Rezende ainda o nomeou no IMAS?