Jovem de 16 anos visto em vídeo de execução é sentenciado a 3 anos de internação

Junto com outros dois garotos, R.S.R matou Marcos Vinícius Caixeta, de 18 anos. O crime foi filmado pelo celular do condenado

Aos 16 anos, o adolescente R.S.R foi sentenciado a três anos de medida socioeducativa por ter matado, no dia 22 de novembro, o jovem Marcos Vinícius Caixeta, de 18 anos. O caso, que teve a participação de outros três jovens –sendo que todos aparecem no vídeo–, ficou conhecido pela frieza do crime, e teve repercussão internacional. O crime foi filmado pelo celular de um dos envolvidos.

A audiência que decidiu pela internação do menor de idade foi realizada no dia 2 de janeiro, em Leopoldo de Bulhões. “A conduta praticada pelo adolescente, em companhia de imputável e outro menor, teve grande repercussão na mídia ante sua gravidade e ainda pelo fato do criminoso e infratores terem gravado cenas da morte”, disse a juíza Célia Regina, responsável pela sentença.

Um dos outros dois envolvidos possui 23 anos, e está preso. Já o outro menor de idade continua foragido. O menor que deverá cumprir medida socioeducativa foi apreendido no dia 24 de novembro, em Goiânia. Os policiais, ao abordarem-no, encontraram o vídeo da execução no celular. Quando chegou na delegacia, ele confessou crime.

No vídeo, o jovem assassinado, Marcos Vinícius Caixeta, aparece dentro de um carro com os outros três jovens, que o chamam apenas de Caixeta. Eles vão até o local que Caixeta é morto cantando e zombando do jovem de 18 anos. “Chegou sua hora. Você vai morrer, Caixeta”, falam. No vídeo, os três jovens falam por diversas vezes para que a vítima fale que é “cagueta” (informante).

Marcos foi morto com vários tiros na cabeça, em uma estrada em Senador Canedo. Órfão, o garoto foi criado pela avó, Rosalina Dias Caixeta, de 72 anos, que foi avisada da morte por vizinhos. Ela disse que o garoto era usuário de drogas.

*Atenção! Vídeo contém imagens fortes.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antonio Alves

Um adolescente com cara de adulto que ninguém nem sabe se apresentou documentos verdadeiros. Esse cara vai ficar internado durante três anos sob a proteção da lei e deve aperfeiçoar sua vocação para o crime, se não fugir nestes três anos ou matar mais um lá dentro, deve voltar para as ruas para cometer outros crimes talvez piores que os já cometidos. É esse o resulta da aplicação de leis criadas sem a menor possibilidade de ser executadas com eficiência.