Briga entre Caiado e Marconi é reflexo de 2018, mirando 2020, aponta cientista político

Governador tenta retomar ou constituir uma base que há bastante tempo é marconista, enquanto tucano tenta manter força no interior

Foto: Reprodução

O cientista político Guilherme Carvalho fez uma análise sobre a briga entre o atual governador do estado de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e o ex-governador Marconi Perillo (PSDB). Para ele, essa situação é um reflexo do processo eleitoral de 2018, que teria ficado “um pouco atravessado” para os tucanos. “A grande derrota do PSDB, com o Marconi [no Senado] e no âmbito do Executivo estadual fez com que a escalada retórica, que já era um pouco complexa entre os dois, subisse o tom”, explica o especialista.

De acordo com Carvalho, essa situação de confronto acaba por prejudicar mais o atual governador do que seu antecessor. “Quem tem mais a perder é o Caiado porque ele tem um mandato, tem responsabilidades muito mais claras, regimentais e protocolares frente à Marconi”, afirma o cientista político. Ele lembra ainda que Perillo responde a uma série de processos e está sendo investigado em operações no âmbito da Polícia Federal e, com isso, estaria tentando desenvolver um discurso que exalte sua gestão.

Duelo de gigantes

Em sua análise, o cientista político aponta que Marconi se esforça para não perder sua base política no estado que é muito extensa e forte. “Em seu discurso ele [Marconi] busca mostrar que foi um grande gestor, que fez com que Goiás se desenvolvesse nos 16 anos em que ele e seus agregados governaram o Estado. Em contraposição, Caiado mantém um discurso de moralidade pública como se estivesse na eleição, por isso o momento é visto como um reflexo de 2018, mas mirando 2020”, destaca Carvalho.

Esse intervalo entre as eleições gerais e as municipais é apontado por Guilherme como um ambiente de profunda conflagração entre grupos políticos das mais diversas matizes. “O pano de fundo [em Goiás] é a disputa dos dois grandes caciques do Estado pelos prefeitos e vereadores do interior. Marconi está como aquela ‘fera ferida’, pois a derrota para ele não foi apenas política, mas também moral. E Caiado tentando retomar ou constituir uma base que há bastante tempo é marconista”, observa.  

Carvalho observa a ainda que enquanto eles [Caiado e Marconi] estão em uma briga acirrada na imprensa, quem acompanha como parte interessada são os prefeitos, até para conseguirem calcular qual parte eles devem tomar nesta disputa. “Ou seja, de que lado eles estarão no ano que vem. Alguns podem continuar na ala marconista, enquanto outros irão para a ala irista /caiadista”, conclui Guilherme.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Renata Santos

Queremos ver se o Caiado tem peito pra exonerar a estrutura dos comissionados do Marconi no Tce. Pagamos pra ver.