Auditores fiscais anunciam paralisação com impacto de R$ 100 milhões na arrecadação do Estado

Presidente do Sindifisco diz que categoria não fará mais operações, blitzes e fiscalizações em protesto ao atraso nos pagamentos

age260119c

Assembleia geral | Foto: Sindifisco

“A categoria decidiu que não vai mais esperar o governo de Goiás começar a trabalhar, vamos fazer nossas manifestações legítimas depois de 60 dias tentando contribuir para solucionar o problema do Estado”. A declaração é do presidente do Sindicato dos Funcionários do Fisco do Estado de Goiás (Sindifisco), Paulo Sérgio, ao anunciar paralisação da categoria em alguns serviços e redução do efetivo em outros.

De acordo com Paulo Sérgio, a partir do próximo dia 11 a categoria vai parar com as operações, blitzes e fiscalizações. O impacto negativo na arrecadação do Estado pode chegar a R$ 100 milhões.

“É uma forma da gente manifestar nossa insatisfação com o governo, principalmente com a secretaria da Fazenda porque já são dois meses que a secretaria está parada. Ela não faz nada porque a titular da pasta não tem ordens para a secretaria. Ela acha que gerir o estado é recorrer ao ministro da Economia a todo instante como se ele fosse o governador. Isso está fazendo mal e desmotivando a categoria”, declara.

A decisão pela manifestação surgiu depois que o governador Ronaldo Caiado (DEM), anunciou o cronograma de pagamento do mês de fevereiro que será finalizado até o dia 10 de março contrariando a promessa feita pelo chefe do Executivo de que os pagamentos seriam realizados dentro do mês trabalhado.

“Isso gera uma outra questão: eles não vão conseguir cumprir o escalonamento de dezembro que eles mesmos propuseram. Quer dizer, vão usar a receita de março para pagar parte de fevereiro, eles não vão dar conta de pagar março dentro do mês também. Está se mostrando um governo de bravata e de declarações vazias”, prevê.

Paulo Sérgio ressalta que o Sindifisco esteve em reunião com o governador onde apresentou propostas para solucionar a crise financeira em Goiás, No entanto, de acordo com ele, as sugestões foram menosprezadas pelo governador.

A reportagem entrou em contato com o governo de Goiás mas ainda não obteve respostas. O espaço segue aberto para manifestações.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Italo

Parece que o Caiado não Caio a ficha que ele é governador, não adianta ficar indo 2 ou 3 vezes por semana a Brasília conversando com ministros a situação o déficit está em todo Brasil e cabe ao governador começar a fazer cortes de gastos cortando cargos desnecessários e comissionados que recebem valores Não correspondente ao trabalho.

Regina

Agora entendi porque o Caiado fica sempre sorrindo nas entrevistas risadinha, saio matéria em outro veículo de comunicação e foi revelado o auxílio mudança de Caiado recebeu do Senado valor de 33.763,00 e mais gratificação natalina de 5.773,44. Agora os funcionários querem receber eles pagam mudança, aluguel, supermercado, farmácia.