Algumas provas de que 2016 foi um dos anos mais bizarros da história

O Jornal Opção elaborou uma lista com episódios peculiares que tornaram o ano estranhamente inesquecível

Montagem

Montagem

Foi tanta coisa que aconteceu em 2016 que fica realmente difícil definir uma linha cronológica em uma retrospectiva coesa. Talvez, a forma mais coerente de relembrarmos esse traumático ano seja listando o que de mais peculiar rolou durante esses 12 meses, que mais pareceu uma montanha russa de emoções e sentimentos confusos. Com isso em mente, o Jornal Opção segue com sua série de matérias especiais de fim de ano com a lista que revela o porquê 2016 será lembrado como um dos anos mais bizarros da história. Vamos às provas!

Coxinhas Vs. Petralhas

Se você conseguiu sobreviver o ano sem nenhuma discussão política nas redes sociais, certamente você não esteve em 2016. Os acontecimentos políticos no Brasil e ao redor do mundo fizeram com que a tensão tomasse conta da web nos últimos 12 meses, separando bons amigos e feito com que muita gente deixasse o grupo da família no WhatsApp. Fora da internet o cenário também não foi muito diferente. Seja empunhando uma bandeira vermelha ou outra verde-amarelo, casos de brigas entre grupos e pessoas com posicionamento político e ideológico diferentes não foram exceções e não pouparam nem as celebridades. No mês de abril, por exemplo, o ator José de Abreu acabou cuspindo em um casal em meio a uma discussão política em um badalado restaurante de São Paulo. Defensor do governo petista e da então presidente Dilma Rousseff, José de Abreu teria sido ofendido gratuitamente pelo casal, segundo relatos do próprio artista publicado no Twitter.

 

O dia que o Brasil teve três presidentes

Para deleite dos opositores, e apesar do choro dos aliados, o Brasil presenciou pela segunda vez na história de sua jovem democracia moderna o impeachment de um presidente eleito. Golpe ou crime de responsabilidade, a petista Dilma Rousseff deu mesmo adeus ao Palácio do Planalto em 31 de agosto de 2016, uma quarta-feira. Neste mesmo dia, o País voltou a fazer história ao acumular três presidentes em um prazo de 24 horas, já que, com a saída de Dilma, Michel Temer assumiu o poder, mas acabou tendo que viajar às pressas para a China para participar da reunião do G20. Quem assumiu a presidência, então, foi o deputado federal Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal.

 

Alexandre Frota no MEC

Ex-galã global, ex-modelo, ex-ator de filmes para adultos e atual ativista político e defensor de Bolsonaro, Alexandre Frota surpreendeu o Brasil no final de maio, quando tirou selfies na sede do Ministério da Educação (MEC) ao lado do ministro Mendonça Filho.

Frota foi até Brasília para participar de uma audiência com o auxiliar de Temer e teria sugerido suas próprias ideias para o setor. Um encontro que definitivamente só 2016 poderia nos proporcionar!

 

O que Deus uniu, 2016 separa…

Se teve alguma coisa que 2016 nos proporcionou foram términos de relacionamentos e eles vieram de lugares que a gente nem sequer imaginava. O anúncio da separação de William Bonner e Fátima Bernardes, por exemplo, pegou todo mundo de surpresa e deixou os internautas inconsoláveis. O mesmo efeito teve o divórcio dos astros Angelina Jolie e Brad Pitt.

Marcos Veras e Julia Rabello, Paula Fernandes e Henrique do Valle, José de Abreu e Priscila Petit, Fernanda Gentil e Matheus Braga, Ticiane Pinheiro e César Tralli, Taylor Swift e Calvin Harris são alguns casais dessa extensa lista que fez muita gente desistir do amor.

 

Playboy sem mulher pelada?

O ano que chega ao seu fim também nos surpreendeu com uma mudança radical na linha editorial da revista masculina mais famosa do País. Para decepção de parte de seu público fiel, sob novo comando, a Playboy brasileira resolveu abandonar as poses ginecológicas e os altos cachês para adotar a valorização da mulher como um de seus principais pilares.

“Na nova Playboy, mulheres são parceiras e não objetos de nudez, com suas vozes e histórias valorizadas”, anunciou a PBB Entertainment logo depois de anunciar Luana Piovani como a protagonista da primeira edição da nova marca. Em outras palavras, tem mulher pelada sim, mas só se ela quiser.

 

Neymar cantor

2016 também nos pregou algumas peças. Uma delas foi protagonizada pelo craque da seleção brasileira Neymar. No mês de setembro, o jogador apareceu nas redes sociais para anunciar a estreia da sua carreira como cantor, com direito a lançamento de sua primeira música de trabalho e tudo mais. A novidade caiu como uma bomba nas redes sociais e gerou inúmeras reações na internet. Depois de muito suspense, no final das contas, tudo não passou de uma brincadeira do brasileiro. Mas convenhamos que, se fosse realmente verdade, não seria a coisa mais bizarra vista nos últimos meses.

 

Brasil nas Olimpíadas

A primeira edição das Olimpíadas no Brasil resultou em uma série de acontecimentos bizarros que só poderiam ser vistos mesmo por aqui. Desde o traumático tour da tocha olímpica — que contou com tombos, furtos e tentativas de apagar a chama — até o episódio lamentável envolvendo o nadador americano Ryan Lotche, não faltaram emoções e episódios que deixassem não só o Brasil, mas o mundo todo boquiaberto.

Por outro lado, a vingança sobre a Alemanha, o espetáculo do show de abertura, a reviravolta de Diego Hypólito, a simpatia de Bolt e os saltos incríveis de Simone Biles fizeram com que tudo valesse muito a pena.

 

A premonição de Os Simpsons

Se estivéssemos premiando os acontecimentos mais peculiares de 2016 provavelmente a vitória de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos estaria no topo da lista. Afinal, foi em 2016 que o mundo pôde assistir, perplexo, um dos empresários mais fanfarrões, egocêntricos e mulherengos chegar a um dos cargos de maior influência do planeta.

Para completar a bizarrice, descobriram também que a eleição de Trump já havia sido prenunciada em “Os Simpsons”, que se tornou uma espécie de guru para tragédias futuras.

 

2018 vem aí!

Falando em tragédias futuras, em 2016, provavelmente empolgados com a eleição de Trump e com o descrédito presidencial em terras brasileiras, despontaram na mídia propensos nomes para a disputa de 2018. Uma lista que conta com Jair Bolsonaro, Silvio Santos, Dr. Rey e Roberto Justus, o que prova que 2016 pode ter sido apenas o “esquenta” para o que ainda está por vir.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.