Ministra Kátia Abreu e governador Marcelo Miranda: separados por brigas políticas, reaproximados pelo desenvolvimento

A intenção é fazer com que o Estado tenha condições de atrair cada vez mais empresas, gerando empregos

Companhia de esmagamento de soja em Porto Nacional é uma das empresas atraídas para o Tocantins | Foto: Divulgação

Companhia de esmagamento de soja em Porto Nacional é uma das empresas atraídas para o Tocantins | Foto: Divulgação

Gilson Cavalcante

O governador Marcelo Miranda (PMDB) quer que sua equipe comece a trabalhar uma agenda positiva para promover o desenvolvimento sustentável do Estado. Nesse sentido, orientou alguns secretários a realizar discussões e reunir dados e informações para que, posteriormente, o resultado desses levantamentos possa se tornar um grande projeto ou programa.

Para o secretário de Articulação Política, Paulo Sidnei, que coordenou uma reunião entre alguns secretários e para o consultor Benedito Rosa do Espírito Santo, a parte logística do Estado está bem avançada e o mo­mento agora, segundo ele, é de o governo fazer gestões para canalizar recursos e investimentos para o Tocantins. “O governador Marcelo Miranda está intencionado a fazer gestões junto à União e a organismos internacionais para canalizar investimentos para o Estado”, sustentou o secretário.

Na avaliação de Benedito Rosa, a equipe do governo Marcelo Miranda está, com a orientação do consultor, estudando e analisando alternativas de proposta para a composição de uma agenda positiva para o desenvolvimento rural do Tocantins, que seja sustentável sob o ponto de vista econômico, social e ambiental.

“Essa primeira reunião teve como objetivo dar mais consistência e ajustar propostas que, posteriormente, serão levadas ao governador, para que ele dê início a projetos executivos”, explicou o consultor.

Por ter ficado durante muito tempo distante dos centros comerciais, o Tocantins teve o seu desenvolvimento prejudicado, mas hoje, de acordo com Benedito Rosa, o Estado está com potencial produtivo e de infraestrutura extraordinários e irá aproveitar esse privilégio. “O que o governador Marcelo Miranda quer que tudo ocorra da melhor forma possível, com racionalidade e sem precipitações ou improvisos”, observou o consultor.

Com a infraestrutura bastante avançada, o consultor adianta que o Tocantins dispõe de condições perfeitas para a produção de soja, milho, frutas e carne bovina. “O PIB do Tocantins depende excepcionalmente da agricultura e da agroindústria e há que se aproveitar isso para agregar valor e gerar emprego e renda”.

Atração de indústrias

Boa logística, incentivo fiscal e a ampliação da malha viária feitas pelo governo do Estado, estão entre os atrativos que trazem grandes indústrias para o Tocantins. Representantes de frigoríficos, processadora de soja, empresa de água mineral, entre outros setores, têm visto o Tocantins como um grande nicho para esse setor.

De acordo com o superintendente de desenvolvimento econômico do Tocantins, Vilmar Car­nei­ro, o Estado tem trabalhado para promover o desenvolvimento da indústria. “Atraindo, fomentando, estimulando e fazendo as concessões de incentivos fiscais que se formalizam nas Secretarias de Desen­volvimento Econômico e Turismo, e Secretaria da Fa­zenda”, apontou.

Apenas nos primeiros meses do ano, dezenas de empresas já buscaram o apoio do governo. Princi­palmente as que trabalham no ramo da agroindústria, sendo que ao longo dos anos, a agropecuária tem se mostrado um dos setores mais promissores no Es­tado.

Ainda de acordo com Vilmar Carneiro, o Tocantins conta com um diferencial importante em relação às demais unidades da federação. “O governo, hoje, conta com uma confiança grande de todos os setores de investimento, seja do próprio Estado, de fora e também de investidores internacionais, essa credibilidade é um grande diferencial e temos também um pacote representativo de normas legais que ofertam vantagens para as empresas que desejam vir ao Tocantins”, ressaltou.

Após seis anos parada por falta de licença junto ao De­partamento Nacional de Pesquisas Minerais (DNPM), a empresa Água Mineral Jalapão, em Guaraí, recebeu a autorização, depois de intercessão do governo do Es­tado, por meio do secretário do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Eudoro Pedroza.

Respostas

O Estado tem obtido uma resposta muito positiva das empresas que chegam aos municípios tocantinenses gerando emprego e renda. Entre elas, está a Granol Indústria, Comércio e Exportação S/A, que se instalou em Porto Nacional em 2012 e está ampliando sua planta fabril para esmagamento de soja direto na fábrica, o que vai gerar mais de 400 empregos diretos.
Outro exemplo é a JBS, que inaugurou um frigorífico em Araguaína, no início de fevereiro, com capacidade de abater 700 animais por dia, gerando 500 empregos diretos, e 2,4 mil indiretos. Diante do potencial do Estado, a empresa já procurou o governo estadual para a implantação de um novo frigorífico no município de Paraíso do Tocantins.

Empreendimentos

Além de desenvolver projetos para recuperação das principais rodovias tocantinenses, o governo do Estado também tem apoiado a implementação de empreendimentos que favorecem o escoamento da produção do Estado, como o Ecoporto Praia Norte. O Eco­porto é uma estação de transbordo de cargas e o primeiro porto fluvial interestadual, com papel estratégico no fluxo logístico do país, ligando o Estado ao Oceano Atlântico, com a primeira fase da sua obra inaugurada no mês de março com a presença do governador Marcelo Miranda.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.