Especialista explica cenário da imigração cada vez mais atraente no Canadá

A advogada goiana Patrícia Martins Pereira é uma das principais referências para brasileiros com interesses no país norte-americano

Foto: Fábio Costa

Marcelo Mariano

Nascida em Goiânia e formada em Direito, no ano de 1993, pela então Universidade Católica de Goiás (UCG), Patrícia Martins Pereira é referência na área jurídica para brasileiros que têm interesse no Canadá e canadenses que têm interesse no Brasil.

Vivendo no país norte-americano desde 2008, Patrícia é consultora jurídica licenciada pela Law Society of Upper Canada (equivalente à Ordem dos Advogados do Brasil-OAB) da província de Ontário.

Entre os préstimos oferecidos pela brasileira, estão a homologação de sentenças judiciais estrangeiras perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ), reconhecimento e dissolução de união estável — consensual ou litigioso —, abertura de empresas no Brasil para clientes canadenses, serviços consulares e consultoria em imigração.

Em entrevista ao Jornal Opção, a advogada, que também exerce a função de ponte comercial entre Canadá e Goiás por meio da Federation of Canadian-Brazilian Business (FCBB), dá um panorama da situação dos imigrantes brasileiros em solo canadense e da política migratória do país que incentiva cada vez mais o intercâmbio de pessoas.

Segundo uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realizada em 2011, o Canadá é 11º país mais procurado por brasileiros — à frente até mesmo da vizinha Argentina. De lá para cá, afirma Patrícia, a procura aumentou e, com isso, a comunidade brasileira cresceu bastante. A advogada conta que a alta qualidade de vida é o que mais atrai as pessoas.

A princípio, o perfil do imigrante brasileiro era, em geral, de trabalhadores sem formação acadêmica que serviam de mão de obra para a construção. Agora, o governo canadense tem exigido uma maior qualificação com o intuito de ocupar vagas de outros setores. “A densidade demográfica e a taxa de natalidade do Canadá são baixas. O país precisa de trabalhadores e, por isso, incentiva a imigração”, esclarece.

De acordo com Patrícia, há poucos goianos entre os imigrantes brasileiros. A maioria vem de Minas Gerais. Recentemente, contudo, passou-se a notar mais pessoas oriundas do Nordeste, do Sul e de outros Estados do Sudeste. A principal dificuldade encontrada é em relação ao domínio do idioma, que, segundo a advogada, é imprescindível para se inserir no mercado de trabalho. “Mas os brasileiros estão se adaptando bem ao país”, garante.

Trudeau e Trump

Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá, cumprimentando refugiados sírios. O país incentiva a imigração | Foto: Justin Tang/The Canadian Press File Photo

Em novembro de 2015, Justin Trudeau, do Partido Liberal, assumiu o cargo de primeiro-ministro do Canadá após quase dez anos de governo de Stephen Harper, do Partido Conservador.

Filho do ex-primeiro-ministro Pierre Trudeau (1919-2000), Justin foi eleito com um discurso progressista e inclusivo, nomeando ex-refugiados e praticantes de diferentes religiões para cargos de alto escalão de governo, que foram igualmente distribuídos entre homens e mulheres. “Isso mostrou a tolerância típica do Canadá e deixou claro que, qualquer um que chegar ao país, pode se tornar um político”, diz Patrícia.

Durante a Fórum Econômico Mundial de 2016, sediado em Davos, na Suíça, Justin Trudeau foi enfático ao falar dos refugiados acolhidos pelo Canadá: “Eles foram recebidos como o futuro da economia canadense. Diversidade é o motor da invenção, que gera criatividade e enriquece o mundo. No Canadá, nós sabemos disso”.

Patrícia concorda e enfatiza que a força migratória é justamente o que movimenta o Canadá. Uma das políticas implementadas pelo novo governo foi subsidiar a ida de imigrantes. Ademais, a emissão de vistos para alguns países, como o Brasil, ficou mais flexível.

Com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dificultando a imigração para o país, muitas pessoas voltaram os olhos ao Canadá, mesmo os EUA tendo um mercado maior que possibilita ganhar dinheiro “mais fácil”. E Justin Trudeau, que tomou posse pouco mais de um ano antes de Trump, não deixou a oportunidade passar.

Relações comerciais mais afinadas com Goiás

O objetivo da FCBB, uma organização sem fins lucrativos que conta com o apoio do governo canadense e da embaixada brasileira, é estimular o comércio entre Brasil e Canadá por meio do auxílio a micro e pequenos em­presários na identificação de oportunidades de negócio, fo­men­tando, assim, a transferência de tecnologia e a criação de startups.

Em Goiás, a responsável por estreitar os laços entre Canadá e o Estado é justamente Patrícia, que, nesta visita à terra natal, se encontrou com o ex-titular da Secretaria de Governo Tayrone di Martino — que deixou o cargo na quinta-feira, 1º, em virtude da reforma administrativa feita pelo governo estadual —, o superintendente executivo de Comércio Exterior, William O’Dwyer, e o secretário de Assuntos Internacionais, Armando Melo, além do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Pedro Alves de Oliveira.

Em setembro de 2016, a advogada recepcionou a comitiva do governador Marconi Perillo (PSDB) durante missão comercial ao Canadá. Na oportunidade, foi assinado um memorando de intenções entre Goiás, Fieg e a Prefeitura de Toronto. “Queremos efetivar esta relação comercial entre os dois países. Só temos a ganhar”, assegura.

Patrícia relata que o conselheiro da Prefeitura de Toronto, Michael Thompson, esteve em Goiás e ficou impressionado com o potencial do Estado, especialmente nas áreas da farmacologia e da agricultura. A parceria é, portanto, uma via de mão dupla, beneficiando ambos os lados.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Marcelo Reinaldo

Boa tarde
Tudo bem?

A minha esposa é formada em pedagogia aqui no Brasil e ela está interessada em trabalhar como cuidadora de criança no Canadá.
Pelo que sei existe um visto específico para isso. Gostadia de saber se através desse visto, eu poderia como dependente ir junto com ela morar no Canadá? Gostaria de saber se como dependente eu também poderia estar trabalhando?

Desde já agradeço!

Marcelo Reinaldo