Augusto Diniz
Augusto Diniz

Boogarins se joga no experimentalismo em duas datas na capital goiana

Na reta final da turnê com o disco “Lá Vem a Morte”, lançado em 2017, banda fará shows baseados no improviso dos músicos nesta quinta-feira (12/7) e sexta (13)

Ynaiã, Raphael, Dinho e Benke fazem duas noites de shows de improviso sonoro em Goiânia | Foto: Erik Augustin Palm

Os goianos do Boogarins trazem na noite desta quinta-feira (12/7) e na sexta (13) o show “Sessão Ampla de Cura e Libertação”, inédito na capital. A primeira apresentação acontece a partir das 21 horas no Complexo Estúdio e Pub, no Centro, e a segunda amanhã no Cafofo Estúdio, no Setor Sul.

A amostra do experimentalismo ao vivo de Dinho Almeida (vocal e guitarra), Benke Ferraz (guitarra), Raphael Vaz (baixo e sintetizadores) e Ynaiã Benthroldo (bateria) esgotou a venda online para o Complexo, que contará apenas com 20 entradas a serem vendidas na portaria. Ainda há ingressos disponíveis, a R$ 20, valor de segundo lote, para a noite de sexta, no Cafofo Estúdio (clique aqui para comprar o seu).

Quase no fim da turnê do terceiro disco, “Lá Vem a Morte” (2017), os Boogarins trazem à sua terra natal o inédito “Sessão Ampla de Cura e Libertação”, descrito como “delírio súbito, sem massagem”, “imagens dinâmicas, sons em transe”, “corpo e cosmos, derretidos, sendo um e todos” e “baixo, banda e umas projeção top”. Fora as brincadeiras dos músicos ao tratar do show experimental de hoje e amanhã da banda em seu material de divulgação, os quatro pretendem trazer um momento livre da marcação das canções conhecidas do público, com as quais se apresentam no Brasil e em outros países.

De acordo com Dinho, o momento é de “fim de ciclo do ‘Lá Vem a Morte'”. “No meio do processo de divulgação desse disco, ano passado a gente lançou o curta-metragem ‘Boogarins na Casa das Janelas Verdes’, que é bem esse lance de a gente tocando o que vier no momento, improvisando.” Para quem queria apenas cantar a letra de “Doce” ao vivo, talvez não seja essa a melhor oportunidade.

A experiência vai mais para o lado de os músicos livres no palco testando sonoridades, não necessariamente as já registradas nos três discos da carreira dos goianos. “O legal desses dois shows é poder fazer isso aqui em Goiânia, em lugares pequenos, um show com o tocar mais solto, e ter o Gabriel Rolim, que normalmente faz nossas projeções nos shows, sentindo e ilustrando o lance”, descreve Dinho.

Como já foi dito pelo vocalista, as projeções e vídeos ficam a cargo de Gabriel Rolim, enquanto a banda se joga em jams nas duas noites. Na descrição dos eventos no Facebook, as noites de improviso dos músicos são descritas da seguinte forma: “Antes tarde do que nunca, finalmente, nós do Boogarins vamos conseguir dar de volta pra Goiânia um pouco da fritura de espirito que sempre recebemos dessa terra prometida”.

E a banda continua: “Para amantes da arte, da música, do ROCK, é o Boogarins bem à vontade, em casa, brincando de show/improviso, ilustrado/acompanhado por projeções e imagens/ideias. Isso também já é ou quer ser o NÃO SHOW, o desespero, canções etéreas///espontâneas///cíclicas////únicas&eternas, o trem querendo e a boca babando, sede de fogo, sede de ideia”.

Segundo o Boogarins, “a inédita e espetacular ‘Sessão Ampla de Cura e Libertação'” traz “sons e imagens profundamente dedicadas/manipuladas para o seu ser/sentir”. O que os quatro pedem ao público é “peito aberto” e “sangue nos olhos”.

Serviço
Boogarins: Sessão Ampla De Cura E Libertação
Data:
quinta-feira (12/7) e sexta-feira (13)
Local: 
Complexo Estúdio e Pub (Rua 7, número 489, sala 1, Centro, Goiânia) na quinta e Cafofo Casa Estúdio (Rua 121, número 126, Setor Sul, Goiânia) na sexta
Horário: 21 horas
Ingressos: R$ 20 (segundo lote para a sexta-feira), esgotados na quinta
Venda online para o show de sexta: Sympla (clique aqui)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.