França autoriza exibição de filmes com cenas de sexo explícito para menores de 18 anos

Decreto do Ministério da Cultura da França foi publicado hoje e já começa a valer

“Love”, de Gaspar Noé, foi um dos filmes proibidos para menores de 18 anos. A partir de agora, filmes assim passarão pela avaliação de um comissão | Foto: Reprodução

A França permitirá que menores de 18 anos assistam a filmes com cenas de sexo explícito. A autorização dos filmes dependerá, entretanto, da avaliação de uma comissão. O decreto do Ministério de Cultura francês que elimina o artigo da lei que estabelecia a proibição de filmes com cenas do tipo para menores de idade foi publicado no Diário Oficial da França nesta quinta-feira, 9, e já passa a valer.

O decreto é uma resposta do governo francês a uma exigência da indústria cinematográfica do país, mas limita, ao mesmo tempo, a margem de manobra da associação fundamentalista católica Promouvoir, que nos últimos anos batalhou para proibir a difusão de vários filmes, como “Azul é a Cor Mais Quente”, de Abdellatif Kechiche, e “Love”, de Gaspar Noé, que foram vetados a todos os menores depois que a associação travou contra eles uma batalha legal.

Essas ações provocaram reação dos cineasta, que alegaram o cerceamento de sua liberdade. Veio daí o posicionamento da ministra de Cultura da França, Audrey Azoulay, que delega agora à Comissão Nacional do Cinema a responsabilidade de avaliar se as cenas de sexo de um filme justificam o veto a menores de 18 anos. Segundo informações do site UOL, a opinião da Comissão será levada em conta pelo Ministério para dar uma autorização de exploração a todos os públicos, desde que preservadas as exigências da “proteção da infância e da juventude, levando em conta a sensibilidade e o desenvolvimento da personalidade próprias a cada idade e o respeito à dignidade humana”.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Izanjogavi Ganvijo

Logo logo estarão oficializando de vez a pedofilia; em nome da liberdade!