20140912153036848263i
Reprodução

A cantora Preta Gil garante que está indignada com “Moda Moldes”, que, ao colocá-la na capa na edição de setembro, decidiu fazer uma alteração. A filha de Gilberto Gil é negra, mas, na capa da revista, aparece praticamente branca.

A publicação usou o Photoshop para branquear a pele da artista. “Estou em estado de choque! Não tem como não me indignar, pois fiz essas fotos para a capa dessa revista e a mesma foi publicada sem minha aprovação e do fotógrafo. O Photoshop foi feito por conta própria. Aí está o resultado”, criticou. “A foto original está linda, nem precisava de grandes ajustes. Pra que isso? Que vergonha! O trabalho de todos os profissionais envolvidos foi comprometido. Infelizmente, essa que está na capa da revista não sou eu!”, criticou.

De fato, na foto original, Preta Gil está bonita, com um olhar naturalmente luminoso e aquele ar rebelde, e não precisava de retoques, por assim dizer, “racistas”. Não que tenha ficado mais feia como “branca”, mas, como ela disse, deixou de ser a Preta Gil que todos conhecem.

A rigor, pode-se dizer que o autor da distorção é racista? Talvez nem seja. É provável que tenha sido apenas um ato inconsciente de um jovem deliciado com as múltiplas possibilidades oferecidas pela tecnologia. Fica-se com a impressão, às vezes, de que determinados intelectuais e grupos políticos pretendem transformar o Brasil num País racista, alimentando discussões que produzem argumentos e resultados pífios.