Avatar
Francisco Silva Araújo

O Brasil tem excelentes vinhos; o que falta é divulgação de qualidade

No Brasil temos vinhos bons, o que se precisa é de mais divulgação, principalmente da parte dos produtores. A divulgação é escassa tanto por parte dos donos de vinícolas quanto dos lojistas

vinho brasileiro Espuma

No Brasil temos vinhos muito bons, o que se precisa mesmo é de mais divulgação, principalmente da parte dos próprios produtores. As divulgações são pouquíssimas tanto pelos donos de vinícolas quanto pelos lojistas. Quando o cliente faz a pergunta: “O que você acha dos vinhos brasileiros?” — costumo dizer que são muito bons. Não conheço todos, o que é natural — é difícil alguém que conheça —, mas procuro transmitir as informações e análises com o máximo de clareza. O que falta no mercado são informações sensatas e precisas. A prova de que o Brasil produz vinhos muito bons são nossas espumantes, que são reconhecidas mundialmente — tanto nos concursos de degustação e quanto pelos mais renomados enólogos, sommeliers e enófilos.

Temos terroirs muito bons no Brasil, embora ainda falte muito conhecimento sobre eles. As vezes têm muitas vinhas sendo cultivadas em solo não adequado, mas já existem muitas pesquisas e estudos para a melhoria dessas vinhas. Os nossos espumantes têm uma qualidade incrível e conseguem ter elegância e equilíbrio, com bom frescor e estrutura. Embora muito se tente no Brasil imitar os champanhes franceses, no meu ponto de vista não há nenhuma necessidade. Até por que, quando tentam amadurecer muito as espumantes, elas perdem um pouco do seu frescor e nisso acabam perdendo a elegância, que é uma das principais características dos nossos espumantes.

No Brasil cultivamos as castas brancas como a rainha das uvas brancas — que é a Chardonnay —, com seus vinhos de boa estrutura, boa cremosidade e bom equilíbrio. Com acidez mais baixa do que sua vizinha Sauvignon Blanc, mas se faz experimento de castas de todo o mundo, inclusive com a grega assyrtico, encontrada em Santorini e na Macedônia, muito versátil em varietais secos, jovens cortes estruturados, vinhos de sobremesa e até no estilo retsina, tipo de elaboração ancestral que tomava a resina do pinheiro dos toneis — casta esta amplamente usada como experimento em uma parceria com algumas vinícolas e a Embrapa.

Temos vinhos tintos maravilhosos no Brasil, embora alguns tentem defender a tese que o Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon são os melhores. Não tenho dúvida que eles são bons, inclusive não só com essas uvas, também com tannat e outras.

Os melhores tintos que já degustei foram com a uva merlot. Encontrei mais elegância e maciez com grande equilíbrio. A merlot é uma uva francesa de Bordeaux, mas precisamente a rainha do pomerol, onde está o chateau pétrus. As quatro uvas mencionadas também são francesas, a cabernet sauvignon fica na esquerda do Rio Gironde e a cabernet franc cultivada nos dois extremos do rio, na direita e na esquerda, mas precisamente são usadas em um grande vinho de St-eMilion, que é o Cheval Blanc. Não esquecendo da uva tannat, essa uva famosa com seus taninos altos que fazem vinhos tão maravilhosos no Uruguai, mas que já tem boa expressão no Brasil, sabendo que seu lar é no sudoeste da França mas precisamente no Madiran.

5 respostas para “O Brasil tem excelentes vinhos; o que falta é divulgação de qualidade”

  1. Avatar Gabriel Gonçalves disse:

    Excelente, matéria parabé[email protected][email protected] #François

  2. Avatar Douglas B.C. disse:

    Esta sensação de que o vinho brasileiro é ruim, vem de um paradigma infindável, que parece não ter fim. Mas isto está mudando, de forma lenta e passível.

    Muito se deve, além da falta de publicidade de produtores e Adegas, ao sommelier e enófilos responsáveis por indicar e orientar aos consumidores rótulos de bons vinhos.
    A natureza deste discerne relacionado aos rótulos nacionais como ruins advém muito de vinhos muito populares e a falta de orientação para maturar o paladar dos futuros enófilos, estes que pré-julgam um vinho seco como muito amargo e “horrivel”.

    Como um discurso que ouvi outro dia, começou a simplificar o modo de entendimento da maturação de paladar pessoal:

    “Pode ser grosso o modo como vou exemplificar ao senhor, mas é simples a compreensão desta comparação, o vinho é como um café dado à uma criança, se você oferecer um café amargo, forte e encorpado à ela, pode ser que nunca mais mude sua concepção de que existe bons cafés. Comece com algo mais fácil, simples e suave, sem agredir o paladar dela. Assim sendo como a indicação do vinho.”

    Nós apreciadores, assim como literários, somos responsáveis por fazer mudar a cultura de nossos grupos sociais, façamos isto com amor”

    O comentário extenso foi no intuito de, apenas, apresentar meu ponto de vista.

    A coluna ficou ótima, meus parabéns Francisco Araújo, e parabéns ao Jornal Opção, pelo belíssimo trabalho.

    Sucesso.

  3. Avatar Wellington Junior disse:

    Concordo com. vários pontos abordados no texto, porém vale salientar que os preços praticados pelos produtores brasileiros sobretudo no último ano vem espantando os consumidores .
    Sou entusiasta dos vinhos brasileiros , sejam eles produzidos no cerrado ou no vale dos vinhedos mas não dá pra esconder a decepção quando comparamos os custos com logística e impostos dos importadora e dos brasileiros .
    Por exemplo, bons Merlot como os da Pizzato subiram mais de 80%, penso que os produtores brasileiros perderam a oportunidade de alavancar suas vendas nesse momento de dólar alto .
    Logo espero você fazer um texto sobre os vinhos chineses

  4. Avatar Nicolas disse:

    Quem acompanha o mundo do vinho sabe as enormes mudanças que ocorreram nos últimos 20 anos nos vinhos Brasileiros. Contavam-se em duas mãos as vinícolas que utilizavam exclusivamente vítis-vinífera. Estamos melhorando em uma velocidade absurda. Lembro-me de ter comprado para o casamento do meu irmão algumas caixas do Vinho miolo seleção. Não era um vinho ruim. Simples mas honestos. Umas garrafas de cor intensa outra bem clarinhas. Era um vinho novo não havia tempo para que a evolução tivesse feito tanto. Hoje com alegria vejo a proliferação de rótulos, de diversas vinícolas novas, de novos terroirs sendo desenvolvidos. Quem começou la atrás cresceu uma enormidade. Que potencia são hoje Salton, Miolo e a casa Valduga. É bom saber que eles se saíram bem mas o melhor ainda está por vir. Estamos descobrindo o Brasil vitivinícola, desenvolvendo terroirs. Do nordeste ao sul produzimos vinho hoje, inclusive nas minas gerais, terra minha. Coisas boas tem aparecido, pequenos produtores estão se lançando nessa empreitada de ter produtos de marca própria.
    Tudo o que digo demostra um panorama muito promissor mas não sejamos ufanistas. Temos pouquíssimo tempo nessa estrada, produzimos quiça 10% do vinho de qualidade que bebemos. Uns dizem que é caro, e é mesmo, mas se vc fosse um viticultor e vendesse seu vinho por 30, porque irias rebaixar o seu preço? Espirito elevado? Tem outra, nossa escala ainda é baixa, garrafas, rolhas e insumos custam bem mais que Europa. Cubas de inox refrigerada, juros elevadíssimo e impostos exorbitantes. Aqui sobretaxam o espumante por ser bebida de rico com isso inibem a geração de emprego no campo. O crescimento do setor faz com que quando organizados os produtores possam reivindicar uma tributação mais justa. Ibravin tem feito muita coisa nesse sentido. Em breve teremos uma micro empresa com simples no mundo do vinho. Com isso os pequenos terão um ótimo espaço para prospera.
    Um brinde ao vinho brasileiro, sem ufanismo é claro!

  5. Concordo. No Brasil têm muitas vinícolas que produzem excelentes vinhos.
    Se alguns proprietários investissem em marketing e divulgação internacional, os resultados seriam impressionantes.

    Aqui em curitiba sempre quando preciso de vinhos produzidos mais artesanalmente procuro a vinhos vô vito, no caminho do Vinho em São José dos Pinhais.
    Para pessoas que moram mais longe e desejam provar os vinhos, podem comprar diretamente na loja virtual deles:

    http://www.vinhosvovito.com.br/

    Recomendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.