Anderson Milhomem
Anderson Milhomem

Chega de treinador retranqueiro

Chega de treinador retranqueiro

pado

Quem me conhece sabe que meu clube do coração usa vermelho e branco, fica sediado ali pelas bandas do Setor Universitário e tem aquela torcida apaixonada que causa inveja no que resta das torcidas adversárias.

Mas aqui e agora não é sobre o Tigrão.

Hoje o papo gira em torno de outro time, que usa verde e branco, fica sediado ali pelas bandas da antiga Macambira e tem aquela torcida que nunca está satisfeita com nada.

E dessa vez eu tenho que concordar com eles.

O time é horrível. Ponto.

A diretoria, medrosa. Ponto.

O ex-técnico, falastrão e ultrapassado. Exclamação.

Vamos voltar alguns bons anos no tempo. Lembro de times brilhantes que os esmeraldinos colocaram em campo. Times que até torcedor rival (falo por mim) tinha gosto de ver, mesmo que torcendo contra. Quem não viu Luvanor, Zé Teodoro, Niltinho, Gílson Jader, Cacau e outros mais que não lembro e nem vou pesquisar, que procure umas fitas antigas e dê uma olhadinha. Era futebol ofensivo, pra frente. Passavam por cima, sem dó.

Era um estilo de jogo que imperava na Serrinha e ia do time principal ao dente de leite. Eu mesmo cansei de ir ao Serra Dourada pra ver na preliminar o time de juniores esmeraldino quando Túlio, ainda sem o Maravilha, já começava a despontar como artilheiro. Dava gosto de ver (que meus amigos colorados não me ouçam).

Éééé meus caros esmeraldinos, hoje fica difícil mesmo perder tempo com esse time. Ver os caras jogarem 90 minutos com a “bunda no azulejo”? Só pra nêgo fanático mesmo.  Alguém precisa apresentar a linha de fundo pro lateral esquerdo robótico. E o da direita, que é muito prafrentex, como diriam os mais velhos, só está jogando por falta de uma opção mais retranqueira. O esquema tático é dos mais modernos do mundo: chuta pra frente e deixa o atacante destrambelhado se virar lá no ataque. Tem um atacante que se destaca dos demais? Afasta. Deixa jogar não, porque é perigoso ele fazer um golzinho. Nossa ideia aqui é defender, defender e defender.

Mas não pensem que a culpa é apenas do ex-treinador super-hiper-ultra-ultra-ultrapassado. Se não me engano, e me corrijam se estiver errado, quem começou com essa palhaçada foi o tal do Geninho. E, como deu certo, tomaram gosto pelo estilo. Enderson Moreira seguiu a trilha e o Hélio “João Plenário” fechou o caixão. O Goiás, de um dia pro outro, se transformou em um time de marcação ferrenha, que bate mais que PM com depressão e só vai nos contragolpes. Resultado: toma poucos gols, faz menos ainda e deve ser o time que mais comete faltas nesse campeonato.

Pelamordedeos dirigentes esmeraldinos, montem um time decente, contratem um treinador mais qualificado, deixem de ser bunda-moles. Ousem, vocês podem e têm condição para isso. Se inspirem, por exemplo, em um Sport Recife da vida. Façam algo de bom pelo futebol goiano e, principalmente, pelos torcedores do seu time.

E do jeito que está fica difícil até de assistir pra torcer contra. Ajuda nóis, né.

Deixe um comentário