Hélio Rocha
Hélio Rocha

Time do Goiás tenta contratar goleiro mas ditador do Paraguaia veta

Alfredo Stroessner impediu que Wagner Villela e Rubens Brandão adquirissem o passe de um jogador do Cerro Porteño

Gato Fernández: ex-goleiro paraguaio | Foto: Reprodução

Wagner Villela e Rubens Brandão, como diretores do Goiás Esporte Clube, foram a Assunção para fechar negócio com o clube paraguaio Cerro Porteño. Tal negócio era a compra do passe do goleiro Gato Fernández, cujo filho, Gatito, atualmente joga no Botafogo do Rio.

Wagner Villela, ex-presidente do Goiás | Foto: Euler de França Belém/Jornal Opção

Depois de uma longa conversa com diretores do Cerro, o negócio foi fechado.

Rubens Brandão: ex-dirigente do Goiás | Foto: Reprodução

Mas tocou o telefone e um dos diretores atendeu. E mudou a conversa, dizendo que não haveria mais a venda. Posteriormente os dirigentes do Goiás ficaram sabendo que quem havia telefonado, vetando a venda de Gato Fernández, era Alfredo Stroessner, nada mais, nada menos do que o ditador do Paraguai na época.

Alfredo Stroessner foi ditador do Paraguai  | Foto: Reprodução

Conto esta historieta no livro sobre a história do Goiás, “Verde que te Quero Verde”, que será lançado no segundo semestre deste ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.