Hélio Rocha
Hélio Rocha

Primeira chuva

Bernardo Élis foi também advogado e professor. Filho do poeta Érico José Curado e de Marieta Fleury Curado

Bernardo Élis foi um escritor de grande  dimensão brasileira,  foi   justamente eleito para a Academia Goiana de Letras e, como contista, também um dos melhores do Brasil. Seu pai, Erico Curado, foi poeta simbolista. Bernardo deixou também poesia, que não foi seu grande  gênero. Veja-se este  exemplo, um poema sobre a  primeira chuva.

Primeira chuva

Quentura de noite pejada de nuvens baixas e negras.
Bambos bamboleios de trovão soturno
batendo o tímpano bambo da zabumba do horizonte.
Trovão apagado,
saudoso,
distante.
Depois a chuva em grossos pingos
sobre os telhados,
na poeira ressequida das estradas,
na terra requeimada das queimadas,
desprendendo um cheiro forte de gestação.
(Mamãe molhava algodão em cachaça canforada
e nos dava para cheirar: – cuidado com defluxo!)

Amanhã tudo vai começar de novo:

as folhas voltarão aos galhos secos,

as águas resmungarão nas grotas mortas,

os pássaros do céu hão de cantar no cio…

(E aquela que partiu porque não volta?)

Lá fora uma goteira numa lata pinga,

pinga a pingo,

                               pengue,

                                               pengue,

numa toada monótona de preta que ninasse.

Pengue,

                pengue,

pingo a pingo.  

(E aquela que partiu,

Porque não volta?)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.