Hélio Rocha
Hélio Rocha

O poema “O Infinito”, de Leopardi, em duas traduções para o português

O poeta, ensaísta e filólogo italiano Giacomo Leopardi viveu apenas 38 anos, mas deixou uma obra ímpar, como mostra o poema “O Infinito”

Giacomo Leopardi: poeta italiano | Foto: Reprodução

“O infinito”

Giacomo Leopardi

Cara me foi sempre esta erma colina

E esta sebe, que por diversos lados

O extremo do horizonte veda ao meu olhar.

Mas, sentado e olhando, intermináveis

Espaços para além dela, e sobrehumanos

Silêncios, e sossego profundíssimo

No pensamento imagino; então por pouco

O coração se não sobressalta. E, quando o vento

Nas folhas ouço sussurrar, aquele

Infinito silêncio a esta voz

Vou comparando: e lembro-me do eterno,

E das mortas estações, e da que agora passa

E vive, do seu rumor. Assim no meio

Desta imensidade o pensamento se me afoga:

E naufragar me é doce neste amr.

(Tradução de Albano Martins)

L’Infinito

Giacomo Leopardi

Sempre caro mi fu quest’ermo colle,

E questa siepe, che da tanta parte

Dell’ultimo orizzonte il guardo esclude.

Ma sedendo e mirando, interminati

Spazi di là da quella, e sovrumani

Silenzi, e profondissima quiete

Io nel pensier mi fingo; ove per poco

Il cor non si spaura. E come il vento

Odo stormir tra queste piante, io quello

Infinito silenzio a questa voce

Vo comparando: e mi sovvien l’eterno,

E le morte stagioni, e la presente

E viva, e il suon di lei. Cosi tra questa

Immensita s’annega il pensier mio:

E il naufragar m’è dolce in questo mare.

(1819)

O Infinito

Giacomo Leopardi

Sempre amei este morro tão deserto

E esta sebe que por todo lado

Do último horizonte o olhar me veda.

Mas sentando e mirando, intermináveis

Ares lá além daquela, e sobre-humanos

Silêncios, profundíssima quietude,

Eu no pensar me finjo; onde por pouco

Meu peito não se assusta. E como o vento

Entre estas plantas ouço arfar, aquele

Infinito silêncio a esta fala

Vou comparando: e me revém o eterno,

E estações que morreram, e a presente

E viva, e o seu rumor. E assim eu nesta

Imensidade afogo o pensamento:

E neste mar é doce o meu naufrágio.

(Tradução de Álvaro A. Antunes)

O poema “O Infinito” ganhou várias traduções no Brasil. Entre seus tradutores estão Haroldo de Campos, Mariajosé de Carvalho, Ivo Barroso e Henriqueta Lisboa. Giacomo Leopardi, poeta, ensaísta e filólogo italiano, nasceu em 1798 e morreu em 1837, aos 38 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.