Hélio Rocha
Hélio Rocha

“Nhola dos Anjos” é um grande conto de Bernardo Élis

O escritor se inspirou na história da cheia do Rio Paranã para escrever a história. Depois, escrito o conto, houve uma cheia no Rio Corumbá

Sem dúvida que o conto “Nhola dos Anjos e a Cheia do Corumbá”, de Bernardo Elis, é uma pequena obra-prima.

Detalhe interessante: Bernardo se inspirou para escrevê-lo, em 1944, morando já em Goiânia, onde fazia Direito, em outro rio.

Trecho do conto de Bernardo Élis | Foto: Jornal Opção

O escritor morava em um hotel na Rua 16, Centro, de propriedade de Manduca Hermano. Em uma noite muito chuvosa, mais uma vez havia pifado a usina pioneira do Jaó e a cidade estava sem luz. Bernardo se encontrava no quarto e escutou uma conversa de Manduca com um conterrâneo seu, do Nordeste goiano. Os dois conversavam sobre uma grande cheia que afetara tempos antes o Rio Paranã.

Bernardo Élis então se inspirou, criando o conto, com a enchente no Corumbá — que tanto conhecia.

Um detalhe: quatro anos depois haveria de verdade uma gigantesca cheia no Rio Corumbá.

Parte do conto de Bernardo Élis | Foto: Jornal Opção

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.