Hélio Rocha
Hélio Rocha

José, sim.  Zé, não. O professor Martins sempre corrigia os foliões

Exigente, o mestre Martins de Araújo não aceitava que se dissesse “janta”. Exigia que se falasse “jantar”

O professor Martins de Araújo foi patriarca de família numerosa, lecionou na cidade de Goiás, em Silvânia e em Goiânia. Não aceitava falar errado.

Por exemplo, não admitia dizer “janta” — tinha de ser jantar.

Quando era jovem, na cidade de Goiás, existia tradicional bloco carnavalesco chamado Bloco do Zé Pereira. No dia de carnaval, quando o bloco passava, as pessoas batiam palmas gritando “Viva o Zé Pereira!”. Ele gritava: “Viva o José Pereira!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.