Hélio Rocha
Hélio Rocha

Fogo amigo e um poema de Paul Éluard

“Acendi um fogo, o azul tendo-me abandonado,/ Um fogo para ser meu amigo/ Um fogo para me introduzir na noite de inverno

Paulo Éluard: poeta francês | Foto: Reprodução

Poetas, com suas metáforas, conseguem fogo amigo.

Como o francês Paul Éluard neste poema: “Acendi um fogo, o azul tendo-me abandonado,/ Um fogo para ser meu amigo/ Um fogo para me introduzir na noite de inverno,/ Um fogo para viver melhor./ Eu lhe dava o que o dia havia me dado:/ As florestas, os bosques, os campos de trigo, as vinhas,/ Os ninhos e suas aves, as casas e suas chaves,/ Os insetos, as flores, as peles, as festas,/ Vivi somente ao ruído das flamas crepitantes,/ Somente ao perfume do seu calor;/ Eu era como um barco deslizando na água represada,/ Como um morto, eu era só um elemento.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.