Hélio Rocha
Hélio Rocha

Esplendor do Renascimento: a era fenomenal das artes plásticas

Pietá, de Michelangelo, a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, e A Alegoria da Primavera, de Botticelli: a arte eterna do Renascimento

Pietá, de Michelangelo | Foto: Reprodução

O que mais me impressiona na história mundial das artes plásticas é o fenômeno criativo que ocorreu nos séculos 14 e 15, esplendor do Renascimento.

Na Itália, foram dezenas de geniais artistas plásticos, nessa fase em que esculturas e telas maravilhosas iriam ser criadas como se fossem uma bênção do Criador.

Que obras fantásticas, principalmente na Itália, em especial Florença. Veja-se o encanto dos  afrescos da Capela Sistina, no Vaticano, e do Moisés e da Pietá, de Michelangelo (1475-1519), a Mona Lisa e  a Última Ceia, de Leonardo da Vinci (1452-1519), A Alegoria da Primavera, de  Sandro Botticelli  (1445-1510), e as medonhas de Rafael (1483-1522), para  falarmos apenas nos italianos.

O semiólogo, crítico e escritor Umberto Eco (1932-2016) observou ser um equívoco denominar de “obscura” a Idade Média. Segundo ele, foi um longo período de semente e de armazenamento científico e cultural que iriam frutificar no Renascimento. Os historiadores Georges Duby e Jacques le Goff disseram praticamente o mesmo e mostraram, em vários livros, a riqueza cultural da Idade Média — que não foi, segundo eles, a “Idade das Trevas”.

A Alegoria da Primavera, de Botticelli | Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.