Hélio Rocha
Hélio Rocha

Bardi, a alma do Masp, e a história do quadro de Velázquez supostamente falso

O diretor do Masp foi à Europa e conseguiu cópia do recibo de venda da tela assinada por Diego Velázquez

O jornalista e político Assis Chateaubriand teve o grande mérito da iniciativa de criar o Museu de Arte de São Paulo, orgulho do Brasil. Mas a alma dessa instituição foi o italiano Pietro Maria Bardi (1900-1999), que foi quem organizou a coleção e dirigiu o Masp por muitos anos.

Consta que, uma ocasião, surgiu o rumor em São Paulo de que uma tela de Diego Velázquez, o retrato “O Conde-Duque de Olivares”, era falsificada.

Pietro Maria Bardi e Assis Chateaubriand: os criadores do Masp | Foto: Reprodução

Bardi foi à Europa e conseguiu cópia do recibo de venda da tela assinada pelo próprio Velázquez.

A denúncia de que o quadro seria falso saiu no jornal “O Estado de S. Paulo”, o “Estadão”. “Ao se encontrar com o crítico Ciro Mendes em uma cerimônia pública”, Bardi “avançou sobre o jornalista e o esmurrou várias vezes. Mendes reagiu com palavras, procurando ferir Bardi onde mais doía — em seu passado político: ‘Fascista! O senhor não passa de um fascista!” A história da briga está contada no livro “Chatô — O Rei do Brasil: A Vida de Assis Chateaubriand” (Companhia das Letras, 732 páginas), do jornalista e escritor Fernando Morais.

A mulher de Bardi, Lina Bo Bardi, era arquiteta e foi a autora do projeto da magnífica sede do Masp, na Avenida Paulista, em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.