Hélio Rocha
Hélio Rocha

A grande perda do Jornal de Brasília

O “JBr” chegou a trazer ao Brasil o editor Ben Bradlee, do Washington Post, o jornal que derrubou o presidente Richard Nixon

Jaime Câmara: grande empreendedor | Foto: Reprodução

O empresário Jaime Câmara, pai, foi muito corajoso e ousado quando, há quase 50 anos, decidiu investir na implantação do “Jornal de Brasília”, na capital da República.

No período de implantação, incluindo a construção da sede, trabalhou para ele o jornalista Isorico Barbosa de Godoy, que morreu de acidente viajando de Goiânia pra Brasília.

Quando se inaugurou o “JBr”, foi o jornalista Wagner de Góes quem assumiu o comando. Competente, Wagner de Góes conseguiu fazer um jornal de muita qualidade, superando sob esse aspecto o tradicional “Correio Braziliense”.

Ben Bradlee, editor lendário do “Washington Post” | Foto: Reprodução

O “JBr” iria certamente superar o “Correio”. Mas acontece que, depois da morte de Jaime Câmara, em 1987, e já sem Wagner de Góes no comando, o “Jornal de Brasília” foi vendido.

O Grupo Jaime Câmara, com sede em Goiânia, cometeu uma estupidez ao abrir mão do “JBr”.

O “Jornal de Brasília”, com Wagner de Góes dirigindo, criou uma grande noite, no seu aniversário, à qual comparecia um convidado especial.

Na primeira vez esse convidado foi o legendário Benjamin Bradlee, o editor do “Washington Post”, um dos maiores jornalistas do mundo.

Sob o comando de Ben Bradlee, o “Washington Post” ganhou 27 Prêmios Pulitzer e duas espetaculares séries de reportagens, a dos Papéis do Pentágono e a do Caso Watergate — que derrubou Richard Nixon, presidente dos Estados Unidos, em 1974.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.