Hélio Rocha
Hélio Rocha

A “bronca” que Mino Carta deu num interlocutor de Goiás

O jornalista não gostou quando lhe perguntaram se a revista “IstoÉ” tinha o apoio do general Golbery do Couto e Silva, condestável dos governos Geisel e Figueiredo

Quando rompeu com a Editora Abril, fundando a revista “IstoÉ”, o jornalista Mino Carta veio a Goiânia ser paraninfo de formatura de uma turma de jornalistas da UFG.

Dessa turma fazia parte a jornalista Cristiana Lobo. Na véspera houve um jantar na casa de uma formanda, Cristina Veiga Costa Campos, e Mino Carta foi ao jantar.

Mino Carta: fundador da Quatro Rodas, da Veja, da IstoÉ e da CartaCapital | Foto: Reprodução

Lá alguém o provocou, indagando se a revista “IstoÉ” tinha o pleno apoio do general Golbery do Couto e Silva, um chefão da então ditadura militar. (Na “Veja”, Golbery do Couto e Silva era tido como fonte tanto de Mino Carta quanto de Elio Gaspari.)

Mino Carta teve uma raivosa reação. E queria ir embora. Com muito custo foi contido. E então foi levado para uma sala onde se encontrava o embaixador Hugo Gouthier, com que ficou conversando.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.