Euler de França Belém
Euler de França Belém

Jornal O Dia diz que repórter de Goiás faz sexo com 2 repórteres do Rio. Jornalismo ou fofoca?

É função do jornalismo revelar a vida das pessoas se não tiver interesse público envolvido?

“O Grito”, de Munch

O leitor Renato Bernardes envia uma nota publicada pela jornalista Fábia Oliveira, de “O Dia” (segunda-feira, 16), e pergunta se está dizendo a “verdade”. O texto, com o título “Repórteres famosos fazem sexo a três no Rio”, tem o seguinte teor: “A gente não é baú e, por isso, vamos contar a vocês um segredinho que a gente descobriu!!!! Um casal de repórteres aqui do Rio de Janeiro tem recebido com certa frequência a visita de um jornalista de Goiânia para dar uma apimentada no relacionamento deles. Tanto os cariocas quanto o goiano ostentam em suas mãos microfones com a marca da toda poderosa. Façam suas apostas!”

Caro Renato Bernardes, quando se trata de vida privada, prefiro não fazer apostas nem estender a conversa. Ademais, como não sou adivinho, não tenho como esclarecer os fatos (se são fatos). O que posso sugerir, a partir do teor da nota, é que parece mais fofoca do que informação. E, mesmo se for informação, a quem de fato interessa a vida sexual das pessoas? Ora, só diz respeito aos próprios indivíduos.

Sobre a pergunta de Renato Bernardes a respeito de qual rede e qual emissora empregam os profissionais, mais uma vez, sinto muito por não ter como ajudá-lo a decifrar o suposto “enigma”. E, mesmo se tivesse informação, mínima que fosse, não a divulgaria.

O jornalismo melhora aqui e piora ali. Balzac não errou quando escreveu “Ilusões Perdidas”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.