Alisson Azevedo
Alisson Azevedo

Sobre cidades… E saudade

(“That was Laura, but she’s only a dream”)

Saio de Goiânia, mas Goiânia não sai de mim.

Se perto, toda cidade é melhor que a minha. Se longe, nenhuma cidade é  páreo pra minha.

(Pode-se substituir “cidade” por “mulher” e se chegará à mesma — e melancólica — conclusão.)

São Paulo, por um megaexemplo, é o maior barato. Mas na minha Goiânia a comida é barata, e a água, abundante.

(Como o amor da mulher amada, que era pouco e se acabou.)

Que os novos bandeirantes não me ouçam, não me leiam, não me interroguem. Terá sido uma profecia a bravata do Anhanguera?

Desembarco na Estação Tietê. Por certo havia um rio por lá. O Tietê?

Agora há só uma estação sem chuvas e muitos paulistanos perdidos. Aliás, para cada estação – sem chuvas, diga-se — há muitos paulistanos perdidos.

Estação da Luz, enigma que o autofalante me decifra. Pra quê tanta escada, meu Deus! Cadeirantes de todas as estações, uni-vos.

Em Goiânia não há metrô nem autofalante, mas tampouco há escadas. Nem calçadas., Ai de mim que sou andante! E romântico.

Agora é Estação Ana Rosa, sussurra o pregão. E eu me lembro da mulher amada: “que é da Rosa nos cabelos?”

Não é hora. Mulher amada em Goiânia não há mais: já era. Por Deus, sem mais nem menos?

“Estação Paraíso”, avisa a anódina voz. Terei perdido o meu para sempre? “Senhora, por que me abandonaste?”

Vila mariana. Viva Mariana! Eis uma rima fácil para uma vaga esperança.

“…saída à esquerda do vagão”. Será a Praça da árvore? Ainda bem que não ando só: dois vagabundos, o Nei e eu, vagões adentro, vagões afora. Vagamundo!

Na Praça da Árvore chove uma chuvinha imaginária a que costumam chamar garoa. Não dá pro gasto, mas já é um alento.

No bar do Pincel, os amigos do Nei me desenham um coração corintiano. É falso, mas não deixa de ser um coração-reserva, já que o titular anda meio mal das pernas.

Falar em pernas, com um par daquelas eu ia até pra Irlanda. Mas a proverbial sisudez das beldades paulistanas – será solidão? — me faz querer voltar mesmo é pra minha Ítaca sem Penélope.

Ah, as mulheres de Goiânia! Ah, uma mulher em Goiânia. Sigo sendo um gavião fiel.

Enquanto leio a “Ode Marítima”, descemos a Santos: lá sou amigo do Nei.

Praia, sol e cerveja. E os novos amigos de infância me protegem do excesso de praia, de sol, de cerveja. E de cidades, e de saudade…

São Paulo, cidade dos excessos. Até a falta d’água é um excesso. E o recesso da chuva, e a chuva, quando vem.

“Em Goiás não havia navios e tivemos de inventar tudo, até as palavras”, me explica o poeta exilado. Ele agora reinventa ideias de esquerda para um Partido vivo – e canhoto, graças a Deus.

O poeta Adalberto Monteiro me abre a casa, me dá do melhor vinho, arranca-me a verdade e me acalenta o combalido coração – o titular – com versos assim:

“Renascer

(por Adalberto Monteiro)

 

O encanto fugiu, avoou e se acabou.

Não há o que fazer, nem mesmo ouvir um tango.

 

No amor o desencanto

Equivale à morte. Ele expele,

Afasta, finda, sepulta, crema.

Com a mesma força que o encanto

Atrai, aproxima, entrelaça.

 

Por ora não há nada a fazer

Senão ocupar-me da terrível tarefa

De retirar milhares de camadas de ti

Que se fixaram em mim.

De tanto dormires sobre o meu peito,

A máscara do teu rosto ficou moldada

Por sobre o meu coração.

 

Quando, novamente, o infortúnio atravessar

Uma faca enferrujada na minha carne

Não terei as tuas mãos para sacá-la

De minhas entranhas.

Quando for lua cheia

Não te terei ao lado,

Para aos berros anunciá-la a ti

Como se estivesse a anunciar a descoberta

De um astro novo.

 

Inúteis as lágrimas. Dispensável pôr –me de joelhos.

Se alegre, se saltitante,

À tua frente, como um potro adolescente,

Deixei de te encantar,

Não seria com a espinha dobrada

E os olhos nevados de sal

Que eu faria o teu coração

Novamente bombear

Carinho por mim.

 

Nada a fazer.

Exceto aprender, com a aurora

A renascer”.

 

E eu, paulistano só por um instante, me perco a cada estação, a ver navios que não há – posto que jamais os tenha visto. Só os invento, porque sou goiano. Renascerei?

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Adalberto Monteiro

Alissom, amigo querido,

Li tua crônica, tem verve, tem seiva, tem saliva, tem sangue
Vem ao mundo um novo cronista. A dor transmuta-se em literatura.
Meu poema fica lisonjeado de você tê-lo acolhido na tua crônica.
Abraço,
Adalberto

Adriane Garcia

Estou encantada por ter lido essa crônica tão verdadeira, tão fluida, tão crítica e tão gostosa de ler. Também muito feliz por conhecer mais um escritor “dos bons!” e pelas referências: muito Gente! Que é assim que é bom que seja. Um presente nesta noite. Um abraço, Alisson Azevedo. Parabéns!