Herbert Moraes
Herbert Moraes

O Talibã manda notícias

Massacre de crianças no Paquistão choca o mundo na semana em que EUA e Cuba reatam laços diplomáticos

Voluntários paquistaneses carregam estudante ferido em Peshawar: ataque talibã deixou pelo menos 130 mortos em escola militar no Paquistão Foto: A majeed AFP

Voluntários paquistaneses carregam estudante ferido em Peshawar: ataque talibã deixou pelo menos 130 mortos em escola militar no Paquistão Foto: A majeed AFP

O o atentado num café em Sydney que terminou com a morte de dois reféns e o terrorista (que era iraniano) e o massacre de estudantes numa escola militar do Paquistão na quarta-feira passada foram os fatos mais marcantes da semana histórica em que Cuba e Estados Uni­dos reataram laços diplomáticos, depois de mais de 50 anos de iso­lamento.

Mas a morte de tantas crianças de forma tão violenta no Paquistão chocou o mundo. A carnificina aconteceu numa prestigiada escola militar de Peshawar, a segunda maior cidade do país, bem na fronteira com o Afeganistão. Mais de 130 crianças e adolescentes morreram e, acredite, quem mora no Paquistão sabe que esse é apenas mais um episódio do diálogo brutal e violento que se arrasta há anos entre o o governo e o Talibã paquistanês.

O alvo, a escola onde filhos de militares estudam, foi cuidadosamente escolhido, e os autores fizeram questão de deixar bem claro por que o colégio. O grupo Talibã no Paquistão é contra a cooperação militar do país com os Estados Unidos e, quando o assunto é o exército paquistanês, o Talibã é ainda mais feroz e quer vingança desde que os militares passaram a combatê-lo. A morte de nove militantes do grupo, também na semana passada, por uma bomba lançada de um avião não tripulado, e a extradição de Latf Mehsud, considerado o número 2 da organização no Paquistão, fazem parte do rol de motivos que explicam a atrocidade cometida contra crianças enquanto estudavam.

O total de mortos ainda pode au­mentar, porque pelo menos 25 estudantes ainda lu­tam pela vida nos hospitais; mais de 120 alunos ficaram feridos. Esse foi o pior ataque dos últimos anos no país. Os nove terroristas também morreram.

Peshawar, a cidade onde ocorreu o massacre, é conhecida no Paquistão por ser o palco “clássico” dos ataques terroristas mais sangrentos do país. Além disso, é a capital do distrito de Khyber Pakthunkhwa, bem na fronteira com o Afeganistão. Há milênios essa região funciona como portão de entrada para o Extremo Oriente, desde a época de Alexandre, o Grande, que também passou por Khyber. Peshawar não é somente um importante centro comercial e econômico do Paquistão: é a cidade com a maior densidade populacional do país e abriga, também, milhares de afegãos. Muitos com co­nexões com grupos, como o perigosíssimo Haqqani e a Al-Qaeda, a­lém de milícias tribais. Essa é uma região controlada por um governo central nominalmente nomeado, onde os chefes tribais, protegidos por suas milícias, são os verdadeiros “donos do pedaço”.

Talibã tribal

Apesar de o governo paquistanês ter reconquistado algum território nessa região remota do país, a fronteira porosa com o Afe­ganistão e a logística bem armada entre o Talibã dos dois países, deixou praticamente todo o distrito de Khyber, onde fica Peshawar, sob o controle total do grupo.

O Talibã paquistanês é mais tribal. A rede age através de milícias e cada uma pode ter um líder. Já no Afeganistão, o grupo possui um comando central. Apesar de a origem ser a mesma, os dois têm interessses diferentes. O Talibã do Afeganistão considera o governo do Paquistão um aliado, isso, claro, porque há anos vem recebendo equipamento militar de última geração, quase tudo proveniente dos Estados Unidos.

Já o Talibã paquistanês enxerga o governo do país como um inimigo que precisa ser combatido. Mas, quando os dois grupos têm de lutar contra forças estrangeiras, americanos e outros, as duas organizações cooperam entre si e, às vezes, agem juntas.

O governo paquistanês vive agora um dilema. Ao apoiar o Talibã do Afeganistão, que é considerado um escudo do país contra a Índia, eles enfureceram os americanos, que até um ano atrás estimularam alianças entre os dois países. Ao mesmo tempo, o fato de o Paquistão autorizar o voo de aviões não tripulados dos EUA em seu espaço aéreo para atingir alvos talibãs na fronteira com o Afeganistão, gerou mal-estar entre os próprios paquistaneses; afinal, o ano passado foi marcado pela tentativa do país em dialogar politicamente com o Talibã. Mas as conversas acabaram falhando depois que o grupo atacou o aeroporto de Karachi em junho.

O governo do país agora é visto com outros olhos pelos americanos, que presentemente consideram o Paquistão um “Estado suspeito” e que há muito não luta efetivamente para combater o Talibã. Desde os atentados nas torres gêmeas em Nova York até hoje o governo americano investiu mais de US$ 30 bilhões em ajuda militar ao Paquistão e, apesar de o país ser uma peça-chave na guerra contra a Al-Qaeda e o Talibã, a aliança pode estar ameaçada, principalmente com a saída parcial das tropas americanas do Afeganistão, prevista para o fim deste mês. O atentado à escola foi um sinal de que as coisas por ali, se já estão ruins, podem ficar ainda piores.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.